Jornal do Commercio
Rota do Atlântico

Rota do Atlântico tem redução nos acidentes no primeiro semestre

O primeiro semestre de 2017 foi de redução no número de acidentes em relação aos anos anteriores

Publicado em 14/07/2017, às 18h10

Rota do Atlântico / Foto: Divulgação
Rota do Atlântico
Foto: Divulgação
JC Online

Nesta semana, a Concessionária Rota do Atlântico divulgou o balanço operacional do primeiro semestre de 2017. A operadora administra a via pedagiada que liga o Recife ao Litoral Sul de Pernambuco. Apesar de 2,2 milhões de veículos terem circulado pela rodovia nos primeiros meses do ano, houve uma redução de 74% nos acidentes desde a sua implantação no
primeiro semestre de 2014.

Nos seis primeiros meses deste ano, a Rota do Atlântico registrou 30 acidentes, 74% a menos que na sua implantação no primeiro semestre de 2014, quando houve o registro de 115 acidentes. Os ano de 2015 também houve queda, quando registrou 50 acidentes nos seus primeiros meses, o mesmo número de 2016.



Quando se refere ao número de pessoas acidentadas, houve uma queda maior ainda, chegando a 83% de redução. Em 2017, registrou-se um total de sete acidentados, enquanto em 2014 se registrou 42. O número já vinha sendo reduzido nos anos anteriores: no primeiro semestre do ano passado, houve 23 acidentados nas ocorrências, uma redução de quatro acidentados em relação ao primeiro semestre de 2015.

Rota do Atlântico

A rodovia expressa foi inaugurada em 2014, para ligar a Capital ao Complexo de Suape e ao Litoral Sul do Estado. O seu trecho tem início na BR-101, próximo ao Hospital Dom Helder Câmara, no Cabo de Santo Agostinho, e vai até a PE-038, no distrito de Nossa Senhora do Ó, em Ipojuca, no Grande Recife.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM