Jornal do Commercio
Transporte público

Assédio em transporte público poderá ser punido com prisão

O projeto de lei visa acabar a impunidade e combater este tipo de prática que vem causando grande repercussão no País

Publicado em 11/09/2017, às 17h01

O objetivo principal é oferecer aos juízes uma forma de punir os criminosos. / Foto: Guga Matos/JC Imagem
O objetivo principal é oferecer aos juízes uma forma de punir os criminosos.
Foto: Guga Matos/JC Imagem
JC Online
com Agência Senado

Propostas de leis específicas relacionadas ao assédio em transporte público estão em tramitação no Senado. A pena para esse tipo de crime poderá chegar a sete anos e meio de prisão para quem importunar, sem o seu consentimento, ou surpreender alguém com ato libidinoso ou de natureza sexual.

De acordo com o senador Lasier Martins (PSD-RS), a proposta visa acabar com a impunidade e combater este tipo de prática que tem causado grande repercussão em todo o País. Lasier é autor de um dos projetos de lei – o (PLS 310/2017) – e, segundo ele, o objetivo principal é oferecer aos juízes uma forma de punir os criminosos. "Era preciso encontrar uma previsão legal para este tipo de ação delituosa, o que cabia a um legislador, não por um ato de oportunismo, mas por uma atitude imediata, para que haja uma previsão legal neste sentido", disse Lasier, em referência aos recentes casos que aconteceram no País.



A proposta altera o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/1940) para prever de dois a cinco anos de prisão para quem importunar ou surpreender alguém contra sua vontade ou sem seu consentimento, por meio da prática de conjunção carnal ou outro ato libidinoso. A pena deverá ser aumentada de um terço até à metade, se o crime for cometido com emprego de violência ou grave ameaça ou, do fato, resultar contato de sêmen ou fluido seminal com a vítima. O projeto de lei aguarda agora apresentação de emendas na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Grande Recife

O último caso registrado no Grande Recife foi na última quinta-feira (7) quando uma jovem de 17 anos afirmou ter sido abusada por um homem de 42 anos dentro de um BRT que fazia a linha T.I Pelópidas/PCR. Em maio deste ano, o JC Trânsito mostrou os relatos de assédio sofrido por mulheres que precisam utilizar o transporte público no Grande Recife. O Brasil lidera um ranking nada satisfatório: o de mulheres que já sofreram algum tipo de assédio. 


Recomendados para você


Comentários

Por Lucianna1,12/09/2017

Tem que se deixar claro que assédio e estupro são duas coisas diferentes. Importunar é uma coisa e surpreender ou agredir alguém contra sua vontade ou sem seu consentimento, por meio da prática de conjunção carnal ou outro ato libidinoso É ESTUPRO! ACHO QUE A IMPRENSA DEVERIA FAZER O PAPEL DE ESCLARECER A POPULAÇÃO QUANTO A ISSO!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM