Jornal do Commercio
repercussão

Eduardo diz que greve da Polícia Civil é ilegal e que não negociará aumento

Governador disse que procuradoria entrará na Justiça para barrar a greve e que a conjuntura da economia não permite reajuste

Publicado em 23/07/2012, às 11h02

Em solenidade no HBL, Eduardo criticou greve da polícia / Foto: Divulgação / SES

Em solenidade no HBL, Eduardo criticou greve da polícia

Foto: Divulgação / SES

Do JC Online

No primeiro dia da greve dos policiais civis em Pernambuco, a categoria recebeu um duro recado do governador Eduardo Campos. Em solenidade no Hospital Barão de Lucena, onde assinou ordem de serviço para reformas na unidade, o mandatário disse que o Estado não negociará reajustes nos salários, que irá cumprir o que foi acordado com a categoria anteriormente e que o movimento dos policiais civis é ilegal.

"Nós ja fizemos um acordo com essa categoria lá atrás, como fizemos com as outras categorias e vamos cumprir o acordo. É o que eu tenho a dizer. Fora disso, a Procuradoria-Geral do Estado vai entrar na Justiça, porque essa greve é ilegal, completamente ilegal."

Eduardo fez questão de enfatizar o respeito que tem pelos policiais e de mostrar que quer uma resolução rápida para o problema. "Nós temos muito apreço pela Polícia Civil, temos trabalhado muito, temos muito respeito pelos profissionais da Polícia Civil. Entendemos que a melhor forma que a gente tem é nos entendermos e que temos um acordo e que o acordo será cumprido. Temos feito um grande esforço, vamos cuidar da segurança da população.", disse.

O governador também creditou o movimento a possíveis disputas internas da categoria e que a conjuntura econômica não permitirá reajustes, como querem os policiais. "Essa paralisação me parece que responde mais a disputas políticas internas do que à pauta mesmo. E nós não temos nenhuma possibilidade de revermos o acordo, que a economia mundo afora está parada, no Brasil também. Nós temos problemas na economia, a receita dos Estados e dos municípios têm caído e não há perspectiva de qualquer incremento em folha de pagamento.

GREVE - Os cerca de 6 mil policiais civis do Estado decidiram parar as atividades por tempo indeterminado a partir desta segunda. Eles reivindicam melhorias salariais, pagamento de adicional noturno, horas extras e vale-refeição. Os policiais pretendem elevar o salário ao segundo maior do país, equiparado ao dos profissionais de Sergipe, onde o vencimento inicial da categoria é de R$ 4.510,00. Além disso, a categoria pede melhorias nos equipamentos de segurança, como coletes à priva de bala.

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM