Jornal do Commercio
obra

Restauração da orla de Jaboatão esbarra na burocracia

Plano milionário de contenção do mar não começou por falta de licença. Estado prevê liberação em dois meses

Publicado em 26/09/2012, às 07h23

 / Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem

Foto: Ricardo B. Labastier/JC Imagem

João Carvalho

A burocracia é o motivo para o atraso do maior plano já elaborado beneficiando a orla de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, relacionado a contenção do mar e reestruturação da faixa de areia da praia. O projeto foi elaborado e a verba aprovada. Mas a falta de uma licença da Agência de Meio Ambiente de Pernambuco (CPRH), autorizando a obra, está atrasando o trabalho, de acordo com a prefeitura da cidade. Somente com a aprovação da CPRH vai ser possível a reconstrução de 5,8 quilômetros da orla de Jaboatão, impedindo que o mar cause ainda mais transtornos para a população e o comércio da beira-mar. O plano está orçado em R$ 40 milhões e já deveria ter sido colocado em prática.

O entrave está num último pedido feito pelo governo do Estado. A Secretaria de Meio Ambiente solicitou ao Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep) um levantamento do impacto ambiental do programa. A previsão é que o material fique pronto em 60 dias. Em seguida, o estudo é enviado à CPRH, que pode autorizar ou pedir novos ajustes para liberar a licença ambiental pendente.

Em novembro do ano passado foi assinado um convênio entre a prefeitura e o Ministério da Integração Nacional para a realização do trabalho. O projeto executivo elaborado pela Coastal Planning Engineereing do Brasil, depois de uma licitação, prevê o engordamento artificial da orla, com a utilização de 900 mil metros cúbicos de areia, o equivalente a 60 mil caminhões tipo caçamba. Para isso as Praias de Piedade, Candeias e Barra de Jangada receberão aterramento, feito por um navio com equipamento que atua através de dragagem. Durante o estudo foi descoberto uma jazida de areia em alto-mar, a 14 quilômetros da orla da Praia de Xaréu, no município vizinho do Cabo de Santo Agostinho, tornando a obra mais prática.

Moradores estão preocupados. Síndico de um edifício na beira-mar de Piedade, Almachio Coelho é também vice-presidente da Associação dos Moradores da Orla. “Acompanhamos todo o processo desde o início. Não estamos entendendo por que essa obra não teve ainda a resposta dos órgãos competentes, já que tudo está pronto”, comentou. “A preocupação é que a burocracia acabe prejudicando e nos colando em risco”, destacou.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Dossiê das torcidas organizadas Dossiê das torcidas organizadas
Série de reportagens mostra a atuação das torcidas organizadas em Pernambuco a partir de 2001, ano da primeira morte em consequência dos confrontos
Fora dos trilhos Fora dos trilhos
Dez anos depois do início das obras da Transnordestina, o pouco que foi construído está abandonado. Era 'o sonho' de uma ligação férrea entre o litoral e o interior do Nordeste
Expedição Antártida Expedição Antártida
A editora Mona Lisa Dourado e o repórter fotográfico Igo Bione acompanham parte das atividades da 32ª Operação Antártica, a convite da Marinha do Brasil

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2016 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM