Jornal do Commercio
cidades cidades
  • Tamanho do texto:
  • A-
  • A+

rodoviários

Manhã de sexta começa com paralisação de parte dos motoristas de ônibus

Vários rodoviários pararam os coletivos no meio da rua para protestar contra a negociação que está sendo feita entre o sindicato da categoria e os donos das empresas

Publicado em 14/06/2013, às 07h04


Do JC Online

Atualizada às 9h05

Avenida Conde da Boa VIsta foi utilizada como estacionamento pelos motoristas. Foto: Hélia Scheppa/JC Imagem

Conforme prometido, parte dos rodoviários de Pernambuco realizaram um protesto de três horas na manhã desta sexta-feira (14). A paralisação serviu para advertir os patrões e enfrentar a direção do Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco, que está à frente da entidade há 33 ano, e provocou muitos transtornos no trânsito do Grande Recife. Às 6h, vários motoristas estacionaram os coletivos no cruzamento da Avenida Guararapes com a Rua do Sol, considerado o local mais movimentado do Centro do Recife, por onde passam centenas de ônibus diariamente, e na Avenida Conde da Boa Vista. Também houve fila de ônibus parados em cima do viaduto da Joana Bezerra. Por conta da paralisação, muitos passageiros preferiram descer e fazer o restante do percurso a pé. Às 9h, os motoristas fizeram uma oração coletiva e voltaram para os ônibus, voltando aos trabalhos.

A paralisação aconteceu também nos terminais integrados do Barro, Macaxeira e Tancredo Neves. Cerca de 2 milhões de passageiros foram prejudicados. "Fiquei sabendo na manhã de hoje que haveria o protesto. Acabou me prejudicando, mas apoio a decisão dos motoristas. O problema é que vou ter que descer e ir andando para o trabalho. Muitas vezes, saímos de casa apenas com o dinheiro da passagem de ida e volta e, por isso, não posso pegar outro transporte", disse Maria do Carmo, enquanto caminhava para o trabalho. Na Avenida Presidente Kennedy, em Olinda, os ônibus não passaram em um momento da manhã. Eles deveriam sair do Terminal da Integração de Rio Doce, mas permaneceram parados.

“Estamos fazendo esse movimento porque soubemos que, mais uma vez, o Sindicato dos Rodoviários está planejando um acordo com o setor empresarial para que o reajuste salarial seja de apenas 7% e o vale-refeição suba de R$ 160 para R$ 200. Vão ensaiar uma greve e depois cederão a esses percentuais. Está tudo orquestrado, como vem acontecendo nos últimos anos. Por isso queremos mostrar que a categoria está unida e agora tem uma dissidência do sindicato. Que não estamos para brincadeira. Nossa profissão é estressante, arriscada e precisamos receber por tudo isso”, defende um dos colaboradores, pedindo o anonimato.

Os motoristas e cobradores de ônibus querem um percentual de reajuste igual ao aumento da cesta básica, de 33%, e que o vale-refeição suba para R$ 300. Assim, o salário do motorista passaria de R$ 1.500 para R$ 2 mil e o do cobrador de R$ 690 para R$ 1.200.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

imprima
envie para um amigo
reportar erro


Comentar


nome e-mail
comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

Fotos do dia

Sem ônibus, muita gente caminhou pelo complexo Joana Bezerra
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

> JC Imagem

Sem ônibus, muita gente caminhou pelo complexo Joana BezerraTerminal de Xambá fechado na manhã desta sexta, durante paralisação de motoristas e cobradoresMototaxistas aproveitam para lucrar com a paralisação dos ônibusPopulação aguarda terminal Integrado de Xambá abrir para pegar coletivoPopulação aguarda coletivo no Terminal Integrado Joana Bezerra

Ranking do dia

Especiais JC

O adeus a Eduardo Campos O adeus a Eduardo Campos
Especial com matérias, fotos e vídeos de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo no dia 13 de agosto de 2014
A história de mim A história de mim
Especial do JC mostra a história de todos nós.
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM