Jornal do Commercio
Susto no mar

Tripulantes de barco que seguia para Noronha sobrevivem a naufrágio

Os tripulantes nadaram mais de 5h até chegar à praia do Janga, em Paulista. Barco de carga saiu do Recife na tarde de terça-feira e afundou cerca de 2h depois

Publicado em 13/09/2017, às 06h34

Barco naufragou duas horas depois de sair do Recife / Foto: Reprodução
Barco naufragou duas horas depois de sair do Recife
Foto: Reprodução
JC Online
Com informações da TV Jornal

Uma embarcação de carga naufragou na noite dessa terça-feira (13) enquanto fazia a travessia entre Recife e o arquipélago de Fernando de Noronha. O barco Ekos carregava material de construção e, segundo as testemunhas, enfrentou fortes ondas no mar. Todos os tripulantes sobreviveram após nadar por cerca de 5h até uma praia de Olinda.

O barco saiu do Recife por volta das 16h30 da terça-feira com seis pessoas a bordo. Mais de 2h30 após partir, os tripulantes começaram a enfrentar o mar revolto, que levou ao naufrágio da embarcação, em menos de cinco minutos.

Durante o naufrágio, um dos tripulantes, identificado como Sílvio Santos, de 44 anos, chegou a telefonar para a esposa informando sobre o acidente. Para se salvar, eles usaram coletes salva-vidas, boias com sinalizadores e páletes de madeira para não afundar.

Em seguida, as vítimas do naufrágio decidiram seguir a nado até a costa. Segundo os próprios sobreviventes, foram cinco horas nadando num percurso de 13km. Por volta da meia noite, já desta quarta-feira (13), eles chegaram à areia da praia.

Segundo o cozinheiro do barco, João Leite, em pouco tempo a embarcação afundou completamente. "Foi um acontecimento que nem a gente sabe explicar. O mar cobriu a popa do navio e não teve condições de continuar. Foi descendo devagarinho e, em cinco minutos, já estava no fundo. Caímos na água com colete, com boia circular e nos agarramos com materiais para chegar até a costa", explicou João que diz já ter enfrentado outro dois naufrágios ao longo da vida.



Socorro

O corpo de Bombeiros foi acionado, por volta de 1h40, para realizar atendimento às vítimas. De acordo com os socorristas, apenas dois homens, um de 40 e outro de 56 anos, precisaram de atendimento e foram levados para o Hospital Naval do Recife, no bairro de Santo Amaro, região central da cidade.

Buscas

As Capitanias dos Portos do Recife e de Natal, no Rio Grande do Norte, foram informadas do desaparecimento do barco ainda na noite da terça-feira. As buscas começaram imediatamente e, até o dono da embarcação ajudou na procura com a utilização de uma lancha. O dono do barco, o empresário Paulo Godoy, disse à TV Jornal que o Ekos é novo e passou recentemente por uma adequação para fazer este tipo de transporte. O proprietário disse que o equipamento estava regulamentado.

Investigação

O barco Ekos transportava material de construção para a reforma de uma pousada em Fernando de Noronha. Um proprietário da embarcação informou que a carga transportada tinha cerca de 70 toneladas, inferior ao limite máximo de 100 toneladas. Há também a hipótese de que uma onda tenha virado a embarcação. 

Viagem

O naufrágio aconteceu ainda no início da viagem entre Recife e Fernando de Noronha que deveria durar dois dias. O percurso é de aproximadamente 300 milhas náuticas, correspondente a 545 quilômetros. Esta seria a quinta viagem do Ekos em direção à ilha.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por cinira,13/09/2017

Não foi ate o janga..foi ate Casa Caiada/Olinda.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM