Jornal do Commercio
violência

A rotina do assédio sexual a mulheres no transporte público do Recife

A equipe do JC ouviu relatos de passageiras de ônibus e metrô que foram assediadas.

Publicado em 14/09/2017, às 08h56

Isadora, grávida de sete meses, espera um mundo melhor para sua filha, Maria Bela / Foto: Léo Motta/JC Imagem
Isadora, grávida de sete meses, espera um mundo melhor para sua filha, Maria Bela
Foto: Léo Motta/JC Imagem
JC Online

Não importa o veículo. O assédio sexual a mulheres no transporte público do Recife infelizmente é uma realidade. Seja no ônibus ou metrô, o constrangimento é diário. Tão “natural” que elas dizem já fazer parte da rotina. Rotina de insegurança. De quem não pode pegar uma condução para a escola ou trabalho tranquila. A equipe do Jornal do Commercio foi para as ruas ouvir essas mulheres assediadas que muitas vezes tem medo ou vergonha de narrar essas tristes histórias.

Uma das que mais chamou atenção, sem dúvida, foi a da estudante Isadadora Lima, de 23 anos. Ela mora no Timbi, em Camaragibe, e estuda em Casa Amarela, na Zona Norte do Recife. São seis ônibus todos os dias para ir e voltar da faculdade. Quase três horas no trânsito. E quase nenhum minuto de paz. Esta foi tirada dela muito cedo ainda aos 13 anos, quando foi assediada pela primeira vez. Estava na parte de trás do coletivo indo para a casa da tia quando viu um homem se masturbando para ela. Sem entender o que estava acontecendo, desceu do veículo chorando.

“Na época eu não entendia o que era aquilo e nem soube explicar direito para minha tia o que havia acontecido. Hoje eu sei que ele estava se masturbando. Essa imagem me marcou, é muita clara pra mim até hoje”, afirmou Isadora. Porém, este foi só o primeiro caso. Vários outros se sucederam ao longo da adolescência e vida adulta dela. Hoje, grávida de sete meses de Maria Bela, espera um mundo melhor para a filha: “Espero que ela conheça um outro mundo, com mais seguro. Quero que minha filha ande tranquila nas ruas”.



A equipe do JC também visitou o Metrô do Recife para mostrar que o projeto Vagão Rosa, que destinava um vagão exclusivo para o público feminino, não está mais funcionando. Lançado em janeiro deste ano e comemorado pelas mulheres, ele foi deixando de vigorar pela falta de efetivo para a fiscalização. Não durou nem seis meses. “Me sentia muito mais segura quando o vagão rosa funcionava porque sabíamos que ali só entrava mulher”, disse a estudante Deise Sara da Silva.

Para evitar que essa “rotina” continue como tal, a orientação da polícia é que toda passageira que se sentir constrangida faça a denúncia. “Em dois anos à frente da delegacia da mulher do Recife eu recebi apenas cinco de denúncias desses casos em ônibus e a gente sabe que esse número é bem maior. Por isso faço o apelo as mulheres que não tenham medo e venham denunciar”, afirmou a delegada Elise Sobreira.

DENÚNCIA

Para denunciar a mulher pode ir direto até a Delegacia da Mulher do Recife na Praça do Campo Santo, sem número, em Santo Amaro, em frente ao cemitério do bairro. Por telefone, os números são o disk denúncia 180 ou o da própria delegacia 3184.3352.


Recomendados para você


Comentários

Por Zecão,14/09/2017

Esse comportamento repugnante vai começar a diminuir quando esses covardes forem efetivamente denunciados e condenados por esses CRIMES. E nós homens devemos cada vez mais repudiar e não tolerar essa conduta. Se eu pegar um canalha desse abusando de qualquer mulher, quebro no pau e chamo a polícia. Ah se eu pego..

Por carlos roberto,14/09/2017

Esse SOCRAM deve ser algum doente, maníaco sexual ou rejeitado. Deve ser frustrado de tanto fora que levou de mulher. kkkkkkkk

Por Leonardo Lima,14/09/2017

É impressionante como o machismo é perpetuado invertendo-se a lógica dos fatos, atacando as mulheres ao invés dos abusadores, usando para isto nomes e emails falsos. Tenham coragem e exibam quem são vocês na verdade, já que consideram normal o assédio sexual a mulheres nos transportes públicos. #Pelofimdomachismo #Bastadeviolênciacontraamulher

Por Karlos,14/09/2017

Marcos (SOCRAM), com certeza o problema nos ônibus não é o homem ficar olhando. Você leu a matéria? Os homens se masturbam dentro do ônibus. Esfregam o pênis nas mulheres. Você mora dentro de uma bolha?

Por socram,14/09/2017

É muito "mi, mi, mi". Tudo é considerado assédio sexual! Vocês, mulheres, ficam se exibindo vulgarmente e seminuas; e, quando os homem olham estão assediando? tomem vergonha antes de tudo.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM