Jornal do Commercio
Tradição

Velha guarda dos carnavais incentiva nova geração

Pesquisadoras afirmam que manutenção do Carnaval tradicional está diretamente ligada à relação de respeito dos jovens com os fundadores e fundadoras de blocos e agremiações

Publicado em 14/01/2018, às 07h05

Por trás dessa tradição, existe o fato de os blocos serem, de maneira geral, amadores. / Foto: Reprodução/ Acervo pessoal de Cabela.
Por trás dessa tradição, existe o fato de os blocos serem, de maneira geral, amadores.
Foto: Reprodução/ Acervo pessoal de Cabela.
Larissa Rodrigues

A paixão que um clube carnavalesco antigo desperta nas novas gerações está diretamente ligada à relação com a velha guarda. Mais do que isso, a continuidade do próprio Carnaval tradicional depende dessa relação. Pessoas como Mirula e tantos outros que praticamente fundaram, junto com seus blocos, a tradição do Carnaval pernambucano têm um significado simbólico que incentiva e estimula os jovens a perpetuarem a folia conservando os valores. Para pesquisadoras do assunto, é isso que mantém durante décadas o padrão da festa de rua.

“Se você é referendado a cada momento no grupo que frequenta e se esse grupo é referendado diante de outros, ocorre que essa referência fortalece você e o seu grupo. A festa para nós tem essa relação muito poderosa de reconhecimento social”, afirmou a historiadora e pesquisadora Carmem Lelis, da Fundação de Cultura da Cidade do Recife. De acordo com ela, embora tenha havido mudanças ao longo do tempo nos clubes, troças, agremiações, a presença da velha guarda é uma espécie de âncora cultural. “Existe esse processo dinâmico que envolve tudo que é humano. Então, não pode ser um Carnaval igual aos anos 1940 ou 1950. Entretanto, muitas coisas se mantém a partir dessa relação, pelas pessoas que criaram, pelo respeito, por uma tradição histórica que vai se fazendo, porque a tradição é criada por nós.”



Por trás dessa tradição, existe o fato de os blocos serem, de maneira geral, amadores. Segundo a historiadora e pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco Rita de Cássia Araújo, se o compromisso dos clubes fosse com o lucro, dificilmente teriam longevidade. “Eles não visam a indústria do Carnaval. Os jovens pensam 'eu faço porque meu pai fez, minha mãe fez, eu tenho que fazer e não posso deixar morrer”, explicou Rita. “Outra coisa que considero importante é que esses blocos amadores, faça chuva ou faça sol, seja ditadura ou democracia, estão na rua. São eles que ao longo de mais de um século fazem o Carnaval sobreviver. Se a festa fosse só sustentada por shows, não haveria essa linha de continuidade”, completou.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM