Jornal do Commercio
Segurança

Procon impõe regras aos bancos para reduzir explosões em Pernambuco

Instituições financeiras e órgão de defesa do consumidor vão assinar um Termo de Ajustamento de Conduta após o Carnaval

Publicado em 17/02/2017, às 13h29

Audiência reuniu representantes dos bancos e do Procon-PE / Foto: Ashley Melo/JC Imagem
Audiência reuniu representantes dos bancos e do Procon-PE
Foto: Ashley Melo/JC Imagem
JC Online

Os bancos que atuam em Pernambuco vão ser enquadrados por um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para garantir mais segurança às agências e tentar, ao menos, reduzir as explosões quase diárias no Estado. Esse foi o principal resultado da primeira audiência realizada entre as instituições financeiras e o Procon-PE, nesta sexta-feira (17/02). Em 72 horas, o TAC será formalizado pelo órgão e, após o Carnaval, a expectativa é de que todos assinem o documento e se comprometam com as mudanças.

Participaram da audiência os bancos do Brasil, Santander, Caixa Econômica Federal, Bradesco e Itaú. O TAC terá, basicamente, três exigências: restabelecimento completo do serviço bancário no prazo de 15 a 30 dias, restituição aos clientes de taxas cobradas no período em que as agências e postos de atendimento estavam inativos, e implantação de variados itens de segurança que destruam ou invalidem o dinheiro levado pelos assaltantes, além de um amplo plano de segurança.

“Ficou definido que, a partir de hoje (terça-feira, 17/02), os bancos terão 72 horas para nos enviar informações sobre os recursos de segurança que utilizam e nós mandaremos uma minuta do TAC. Após o recebimento, as instituições terão dez dias úteis para analisar e discutir a proposta. Em seguida, poderemos assinar o Termo de Ajustamento de Conduta. Caso isso não aconteça, partiremos para a Justiça”, afirmou o gerente geral do Procon-PE, Erivaldo Coutinho. Lembrando que os bancos que ignorarem o TAC poderão ser multados em valores que variam de R$ 652 a R$ 7,5 milhões.

A audiência é mais uma cobrança do Procon-PE após o órgão entrar com uma medida acautelatória contra os bancos, por não apresentarem celeridade na reabertura das agências e postos danificados pelas explosões. A ação foi embasada numa investigação realizada pelo Procon que constatou a lentidão das instituições em reabrir as agências, prejudicando os clientes, seja com a falta da prestação dos serviços bancários ou com a contínua cobrança de taxas. Após a notificação da medida cautelar, ficou estabelecido o prazo de cinco dias para o restabelecimento das atividades bancárias nos municípios pernambucanos, mas nada foi feito e o período concedido expirou no último dia 12/02. 

Balanço

Pelos números do Procon-PE, somente de 2016 até a semana passada, 56 cidades tinham sido alvos de explosões em Pernambuco e pelo menos 13 municípios ainda estão com agências ou pontos de atendimentos sem funcionar da forma correta. O órgão conseguiu visitar, na semana passada, as cidades de Abreu e Lima, Ipojuca, Goiana, São Vicente Férrer, Glória do Goitá, Amaraji, Barreiros, Ipojuca, Sirinhaém, Betânia, Capoeiras, Lajedo, Terra Nova e Verdejante.

Todos os municípios fiscalizados foram alvos recentes de investidas criminosas, alguns tiveram suas agências destruídas por completo e outros alguns caixas eletrônicos danificados. Das cidades fiscalizadas, o Banco do Brasil de São Vicente Férrer e Porto de Galinhas continuam fechados. Já em Goiana, Glória do Goitá, Amaraji, Barreiros e Sirinhaém, o Banco do Brasil está trabalhando de forma parcial. Estão sendo realizados serviços burocráticos a exemplo de troca de senhas e entrega de cartões, mas nada que envolva quantias em espécie.

Os representantes das agências bancárias presentes se comprometeram a atender às exigências para a assinatura do TAC. Todos relataram as dificuldades enfrentadas para retomar a prestação dos serviços e garantiram que atendem além dos requisitos de segurança exigidos pela Lei Federal 7.102 de 1983. Apenas o Itaú destacou que há cinco anos nenhuma de suas agências sofreram explosões no Estado.

Recomendados para você


Comentários

Por eduardo,17/02/2017

PENA DE MORTE ÚNICA SOLUÇÃO, FEITO NA ARÁBIA SAUDITA, O RESTO É CONVERSA MOLE DE DIREITOS HUMANOS SEBOSO...

Por Paulo,17/02/2017

kkkkkkkkkkkkkkkk...... o procon finge que é ouvido......os bancos fingem que escultam ........e o governador acha que governa............ piada!



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM