Jornal do Commercio
INVESTIGAÇÃO

Polícia divulga foto de assassino da menina Beatriz em Petrolina

Garota foi morta aos 7 anos, em dezembro de 2015, enquanto celebrava a formatura da irmã em uma escola do município

Publicado em 15/03/2017, às 15h50

Homem estaria em busca de qualquer criança para cometer o crime / Foto: Felipe Vieira/JC
Homem estaria em busca de qualquer criança para cometer o crime
Foto: Felipe Vieira/JC
JC Online
Com informações do repórter Felipe Vieira

Atualizada às 16h20

Em coletiva de imprensa concedida nesta quarta-feira (15), a delegada Gleide Ângelo, responsável pela investigação do caso do assassinato da menina Beatriz, em Petrolina, apresentou a imagem do homem que está sendo confirmado por ela como o autor do homicídio, cometido contra a criança de 7 anos em dezembro de 2015, na cidade do Sertão pernambucano. Os vídeos revelados agora mostram o mesmo suspeito identificado em 2016. A diferença, conforme a investigação, é de que desta vez é possível estabelecer uma identificação visual do rosto do investigado. O Disque-Denúncia irá iniciar um campanha para tentar capturá-lo, o pagamento chegará ao valor de R$ 10 mil.

Imagens

As novas investigações chegaram à identidade visual do acusado após melhorarem as imagens de câmeras de segurança, por meio de uma empresa da região sudeste do País. A polícia trabalha com a hipótese de que o homem estava em busca de qualquer criança para cometer o crime. O suspeito teria escolhido Beatriz e assassinado a garota com 42 facadas na escola onde ela celebrava com a família a formatura da irmã.

Até o momento, as investigações apontam que a criança foi morta a facadas durante uma festa de formatura do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora. Ela havia pedido para beber água e, cerca de 30 minutos depois, foi encontrada sem vida no depósito de materiais esportivos da escola, junto com a faca que teria sido utilizada no crime. Beatriz morava na Bahia com a família e participava da festa de formatura da irmã. O pai dela é professor no colégio. A polícia já havia feito, desde o dia do crime, 65 exames comparativos de DNA e todos deram negativo. 

Gleide Angelo

A delegada Gleide Ângelo, reconhecida pela resolução de casos de grande repercussão em Pernambuco, assumiu em dezembro de 2016 o comando da operação que investiga o caso da menina Beatriz. No dia 3 de janeiro deste ano ela viajou para Petrolina pela segunda vez para dar seguimento às diligências.

Mesmo sem data para iniciar uma campanha na tentativa de capturar o suspeito, a polícia já confirmou que o Disuqe-Denúncia irá oferecer uma recompensa de R$ 10 mil para quem tiver alguma informação que ajude na investigação.

Recomendados para você


Comentários

Por Marcela,25/05/2017

Se houve MAGIA NEGRA, que também não está descartado, o EX-BRUXO explica as INSTITUIÇÕES, aparentemente inofensivas, MAS, altamente DIABÓLICAS, que podem estar por trás desses fatos macabros. >>>>>>>> https://www.youtube.com/watch?v=r587IxO0ZQQ;

Por Marcela,25/05/2017

Se houve MAGIA NEGRA o EX-BRUXO explica as INSTITUIÇÕES que podem estar por trás desses fatos macabros. >>>>>>>> https://www.youtube.com/watch?v=r587IxO0ZQQ;

Por joão moisés,15/03/2017

Acho que tem haver com alguma coisa ligada ao ritual de magia-negra.

Por jota,15/03/2017

Porque as imagens foram melhoradas por meio de uma empresa no sudeste do Brasil, essa é a resposta Albany Morais.Se o Brasil tivesse um banco de dados de estupradores, psicopatas, assassinos e outros meliantes, como é o caso de muitos países, esse caso já teria sido resolvido.

Por raffen,15/03/2017

O mais importante além da prisão, é saber os motivos reais, não que alguma coisa justifique essa bárbarie, porém, os pais da menina certamente vão querer saber.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM