Jornal do Commercio
ASSALTO

Dois bandidos estavam entre participantes de palestra em Piedade

Assaltantes estavam disfarçados entre os frequentadores e esperaram a palestra terminar para iniciar a ação

Publicado em 06/07/2017, às 01h12

Ação criminosa no Grupo Espírita Amor ao Próximo (GEAP) resultou em três mortes / Foto:  Felipe Ribeiro / JC Imagem
Ação criminosa no Grupo Espírita Amor ao Próximo (GEAP) resultou em três mortes
Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem
JC Online
Com informações da TV Jornal

Atualizada às 10h39

Dois dos assaltantes que realizaram ação no Grupo Espírita Amor ao Próximo (GEAP), em Piedade, Jaboatão dos Guararapes, estavam dentro da palestra, disfarçados de frequentadores. A informação é da Polícia Civil, que está investigando o caso.

Ocorrência

Segundo a delegada Gleide Ângelo, na ação criminosa participaram sete homens. Dois deles estavam do lado de dentro do centro espírita, e anunciaram o assalto ao fim da palestra. Cerca de 200 pessoas estavam presentes no local. Os suspeitos mandaram os homens tirarem a camisa, para verificar se alguém estava armado. Foi nesse momento que o cabo da polícia militar Alexandro Alves de Melo reagiu atirando.



Quatro pessoas foram mortas no tiroteio. Dois deles eram os suspeitos Felipe Lima Ferreira da Silva, de 18 anos, e Kleiton Florentino de Lima, que foram atingidos pelo policial dentro do centro e morreram do lado de fora. A outra vítima foi Luiziana de Barros Correia Nunes, 57 anos. O cabo da PM que reagiu foi atingido na cabeça e faleceu nesta madrugada no Hospital da Restauração, área central do Recife. Jeferson Gonçalo da Silva, um dos suspeitos de participar da tentativa de assalto, está internado em observação, na emergência do Hospital Getúlio Vargas, no bairro do Cordeiro, Zona Oeste do Recife. Ele foi baleado nas costas. Já Daniel de Souza Brum, 30 anos, está na unidade de trauma do Hospital da Restauração (HR), no bairro do Derby. Ele passou por exames, está estável e não tem indicação de cirurgia.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Anestesiado,06/07/2017

A sociedade pernambucana está anestesiada com tanta violência. Ninguém sai as ruas pedindo uma solução urgente às autoridades a fim de previnir e reprimir os crimes violentos. Segundo o IPEA, a violência no Estado cresce desde 2001 tendo uma redução entre os anos 2011-2014 (Pacto pela Vida), portanto não é crise nenhuma que fez recrudescer a violência, mas sim a ingerência desse (des)governo.

Por Gustavo Mendonca,06/07/2017

mais armas nao!

Por Antonio Almeida,06/07/2017

Que Deus tenha piedade desses espíritos perversos e que receba todos na casa do Pai. Muito triste, nem em casas de oração, as pessoas têm mais paz. Mundo difícil esse nosso.

Por indignado,06/07/2017

Não temos mais segurança em lugar nenhum. Vejam a imaginação desses marginais, em procurar um local que encerra respeito e religiosidade, quais degredados de uma sociedade injusta, mas que não justifica roubar ou tirar a vida das pessoas. Será que se fosse dada a oportunidade a eles de um trabalho digno e estudo para progredirem, será que mesmo assim ainda optariam pelo crime? Uma sociedade injusta tem que mostrar esse quadro de desgraça total.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM