Jornal do Commercio
Homicídio

Operação da Polícia Civil desarticula quadrilha de homicidas na RMR

Entre as vítimas, quadrilha teria matado bebê de apenas um ano e dois meses em Ipojuca

Publicado em 30/08/2017, às 06h18

Polícia desarticula quadrilha de homicidas na RMR / Foto: Reprodução
Polícia desarticula quadrilha de homicidas na RMR
Foto: Reprodução
JC Online

A Polícia Civil de Pernambuco deflagrou na manhã desta quarta-feira (30) uma operação para desarticular uma quadrilha de homicidas com atuação em Jaboatão dos Guararapes e em Ipojuca, no Grande Recife. A ideia é prender seis pessoas que, entre outros casos, são suspeitos de matar um menino de apenas um ano e dois meses em fevereiro deste ano. Os presos também devem responder por porte ilegal de arma de fogo.

De acordo com a Polícia Civil a operação denominada "Estirpe" investiga o envolvimento dos suspeitos em, ao menos, sete homicídios em Ipojuca. Além dos seis mandados de prisão, são outros 10 mandados de busca e apreensão nas cidades onde os agentes atuam nesta manhã.

As investigações foram iniciadas pela 14ª Delegacia de Homicídios e a operação desta manhã conta com 60 policiais entre delegados, agentes e escrivães. Os policiais são supervisionados pelo chefe da PCPE, o delegado Joselito Kehrle do Amaral, e coordenados pela Diretoria Integrada Especializada (DIRESP).



Prisão

Os presos e materiais apreendidos vão ser encaminhados para a Divisão de Homicídios da Região Metropolitana Sul, no bairro de Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes. O chefe da PCPE, Joselito Kehrle, deve apresentar balanço da operação ainda na manhã desta quarta-feira.

Homicídio de Bebê

Os presos na manhã desta quarta são investigados pela morte de um bebê de um ano e dois meses em Ipojuca. Davi Anderson Pereira estava na casa da família quando os suspeitos invadiram a residência em busca do padrasto do menino, Rionaldo Ferreira, que também morreu na ação. Ainda durante o tiroteio, a mãe do bebê, Milena Larissa, também foi atingida, mas sobreviveu.

Na época do crime, a TV Jornal fez uma reportagem sobre o caso. Confira:


Recomendados para você


Comentários

Por impostos alto retorno zero,30/08/2017

Os bandidos todos armados, e o povo trabalhador desarmados a merce desses pilantra. O contrabando de arma corre no país em vento e popa,todo bandido bom tem uma pistola. Se uma cidadão de bem simples tiver uma arma em casa para uma possível proteção, a arma tem que estar legalizado, isso se conseguir atender os pre-requezitos, ao contrario ele atuado por porte ilegal de arma, pela autoridade policial militar ou civil, sem falar nas piadas que esses profissionais usam lhe colocando na condição suspeito. Tem impressão que se as autoridades brasileira não tomar o controle, o cidadão vão comprar arma clandestina também para se proteger.

Por IMPOSTOS ALTO RETORNO ZERO,30/08/2017

Os bandidos todos armados, e o povo trabalhador desarmados a merce desses pilantra. O contrabando de arma corre no país em vento e popa,todo bandido bom tem uma pistola. Se uma cidadão de bem simples tiver uma arma em casa para uma possível proteção, a arma tem que estar legalizado, isso se conseguir atender os pre-requezitos, ao contrario ele atuado por porte ilegal de arma, pela autoridade policial militar ou civil, sem falar nas piadas que esses profissionais usam lhe colocando na condição suspeito. Tem impressão que se as autoridades brasileira não tomar o controle, o cidadão vão comprar arma clandestina também para se proteger.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM