Jornal do Commercio
Polêmica

Polícia diz que assalto a banco em Itamaracá poderia ter sido evitado

Durante detalhamento da prisão das três mulheres suspeitas de participar de assaltos a banco em Itamaracá e Tamandaré, Polícia Civil afirmou que assaltos teriam sido evitados com a colaboração da Justiça

Publicado em 14/09/2017, às 12h12

Após assaltos, quadrilha fugia de lancha e chegou a queimar carros para dificultar trabalho da Polícia / Leo Motta/JC Imagem
Após assaltos, quadrilha fugia de lancha e chegou a queimar carros para dificultar trabalho da Polícia
Leo Motta/JC Imagem
Da Editoria de Cidades

Mais de cinco meses após uma quadrilha realizar um assalto a banco na cidade de Tamandaré, no Litoral Sul do Estado, recheado de ousadia, onde os suspeitos fugiram de lancha e sitiaram o local, a Polícia Civil divulgou na manhã desta quinta-feira (14) os detalhes da prisão em flagrante de três mulheres integrantes do grupo e que teriam participado desse assalto, e do assalto ao banco de Itamaracá, em agosto. A Polícia também tem indícios que a mesma quadrilha teria explodido o caixa eletrônico da Usina Cucaú, em Rio Formoso, também em agosto.

De acordo com o delegado João Gustavo Godoy, um dos responsáveis pelas investigações, 10 dias após o assalto em Tamandaré, a Polícia conseguiu identificar parte da quadrilha, e solicitou à Vara de Justiça da cidade medidas cautelares contra os suspeitos, mas nunca obteve resposta. "Até agora, não houve pronunciamento da Justiça sobre as medidas cautelares. Pelo menos oito pessoas tinham sido identificadas logo após o primeiro ataque. Eu acredito que, se eles tivessem sido presos, os outros dois assaltos de Itamaracá e da Usina Cucaú teriam sido evitados", contou com indignação.

A reportagem entrou em contato com o Tribunal de Justiça de Pernambuco, que afirmou que o caso segue em segredo de justiça e nenhuma informação pode ser divulgada.



Ainda segundo a Polícia, Janeide Nazaré dos Santos, 39 anos, Abruna Samua Alves de Melo, 22, e Cicera Izabelly Alves, também de 22 anos, auxiliavam a quadrilha fazendo levantamento dos locais onde seriam realizados o assalto. Elas teriam se hospedado em casas alugadas em Tamandaré e Itamaracá para passar informações para o grupo. No momento da prisão, Cícera estava em uma casa no bairro de Ponte dos Carvalhos, no Cabo de Santo Agostinho, e as outras duas mulheres em outra casa na praia de Enseada dos Corais.

Nas residências, a Polícia encontrou coletes a prova de bala que pertenceriam aos vigilantes da Usina Cucaú, uma lancha, 45 explosivos, motoserra, entre outros objetos que seriam utilizados nos assaltos praticados pelo grupo. Segundo João Gustavo Godoy, o que motivou a prisão das mulheres foi a morte do líder da quadrilha durante uma troca de tiros com policiais no estado do Pará nessa terça-feira (12).

As mulheres presas durante a operação passarão por audiência de custódia ainda nesta quinta-feira (14).


Recomendados para você


Comentários

Por souza,14/09/2017

AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA , KKKKKKKKKKKKKKKK

Por Andre,14/09/2017

E aí JC?? Soltaram todas na audiência de custódia??

Por socram,14/09/2017

Pois é. A Polícia faz seu papel e prende, mas a "justiça" solta. Estamos à mercê da "justiça".



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM