Jornal do Commercio
MEDO

A insegurança que muda os hábitos das famílias

O medo de assaltos vem mudando a rotina dos pernambucanos.

Publicado em 20/09/2017, às 14h20

A insegurança persegue a família do Wilson Carneiro na Iputinga.  / Luiz Pessoa / JC Imagem
A insegurança persegue a família do Wilson Carneiro na Iputinga.
Luiz Pessoa / JC Imagem
Leonardo Vasconcelos

Uma família comum, com um sentimento bem comum: a insegurança. Esta é a sensação que, infelizmente, impera em várias residências em Pernambuco. Na do autônomo Wilson Carneiro de Albuquerque Júnior, na Iputinga, não é diferente. A casa dele recentemente foi invadida por ladrões que entraram pelo teto.

“Moramos há 53 anos aqui e ficamos surpreendidos com a ousadia dos ladrões. Nós investimos há muito tempo em cerca elétrica nos muros justamente para tentar ter segurança, mas nem isso nos salvou. Eles entraram pelo teto, às 10h da manhã, quando estávamos em casa e roubaram várias coisas que estavam em um quarto. A “sorte” é que não escutamos nada, ele pegou o quis e foi embora”, afirmou Wilson.



O assalto à casa e os diversos presenciados fora dela fizeram com que instintivamente os integrantes da família mudassem de hábitos. O medo alterou a rotina de todos desde a entrada e saída de casa até o jeito de se portar no trânsito e nas ruas. Confira como cada se viu obrigado a mudar de hábitos para lidar com a insegurança. Na sequência, veja a opinião da polícia sobre cada estratégia adotada pelas pessoas e a orientação sobre como agir para evitar casos de assaltos.

Assista:


Recomendados para você


Comentários

Por Basta dessa Zona,21/09/2017

Eu quero ver os atuais Governador e Prefeito fora dos seus cargos e andando por Pernambuco sem segurança. Essa eu quero ver!!!

Por GUTEMBERG,21/09/2017

Na polícia está está cheia de setores administrativos onde delegados, agentes de polícia, comissários e escrivãos trabalham administrativamente, quando na verdade deveriam estarem trabalhando naquilo que passaram no concurso, nas delegacias e nas ruas. Quando acabarem com esse apadrinhamento imoral, com esse jogo de interesses imoral, teremos uma melhor eficácia nas delegacias.

Por MARIONALDO DAS DORES,21/09/2017

As delegacias estão caindo aos pedaços, com paredes rachadas, tetos mofados e deteriorados, infiltrações. falta efetivo para a polícia civil investigar os criminosos. Vão na central de flagrante e vejam as paredes rachadas, portas quebradas, falta de efetivo naquele local. Pagamos impostos para sermos roubados, primeiro pelos políticos corruptos e segundo pelos bandidos.

Por ZECA,21/09/2017

VOU REPETIR O QUE O INTERNAUTA TEMEROSO FALOU ! " MUITO BOM, PAULO. TEM QUE MANTER ISSO, VIU ?"

Por Vote diferente,21/09/2017

O problema não é falta de polícia na rua. É falta de política pública para saúde, educação, redução da desigualdade social, emprego e renda... Sem falar na falta de vergonha na cara dos atuais políticos. Estamos reclamando de quê? Quem votou nos atuais políticos não pode reclamar de nada! Mesmos políticos, mesmos problemas. Em 2018 vote diferente. Abrace essa ideia.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Recife em Transformação Recife em Transformação
A cidade e o desafio de traçar o seu futuro
Zika em mil dias Zika em mil dias
Já se passaram quase 2 anos e meio desde que o JC anunciou a explosão de casos de recém-nascidos com microcefalia. Muitas dessas crianças já completaram os seus primeiros mil dias de vida. Famílias e especialistas revelam o que aconteceu nesse período
Logística e inovação Logística e inovação
Você sabe o que é logística? Ela parece invisível, mas está presente no nosso dia a dia, encurtando distâncias. Quando compramos uma maçã no supermercado, muitas vezes não nos damos conta do caminho que percorreu até chegar a nossas mãos

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM