Jornal do Commercio
Balanço

Após reforço no policiamento, Agamenon Magalhães apresenta redução nos assaltos

Redução nos crimes na região de um dos corredores mais importantes do Recife foi de 46%, de acordo com dados da Polícia Militar.

Publicado em 07/11/2017, às 19h30

Apesar dos resultados positivos, autoridades reconhecem que ainda há muito a ser feito / Foto: Luisi Marques/ JC Imagem
Apesar dos resultados positivos, autoridades reconhecem que ainda há muito a ser feito
Foto: Luisi Marques/ JC Imagem
Maria Luísa Ferro

Passados mais de 60 dias do início do reforço no policiamento da Avenida Agamenon Magalhães – um dos corredores mais importantes do Recife – houve, segundo a Polícia Militar, diminuição no número de assaltos, principal queixa de quem passa pela via. De acordo com o balanço apresentado nesta terça-feira (7) pela corporação, entre os dias 28 de agosto e 5 de novembro, foram registradas 115 ocorrências envolvendo pedestres e apenas uma relativa a ônibus. No mesmo período do ano passado, esses números fecharam em 173 investidas a transeuntes e 14 a coletivos, redução de 37% e 93%, respectivamente.

De acordo com o diretor Metropolitano Integrado da PM, Ricardo Barbosa, a avaliação da operação montada nos cinco quilômetros da via, e com foco nos dois quilômetros mais críticos – da descida do Viaduto Capitão Temudo até o Hospital da Restauração – é positiva. “Acreditamos que esse resultado veio (a redução no número de assaltos e crimes em geral), por conta do nosso planejamento, do policiamento ostensivo a pé, com motos, carros e também dos agentes à paisana, através do serviço reservado. Eles têm trazido bons resultados”, explicou.

Apesar dos números positivos, apontando redução de 46% no total dos crimes que acontecem na avenida, Barbosa reconhece que ainda há muito a ser feito. “Nossa luta é diária. Estamos analisando em quais bairros, locais e turnos ainda acontecem mais assaltos, para estar sempre ajustando e combatendo esse tipo de ocorrência, e também alinhar com a prefeitura uma parceria para ter acesso às câmeras de monitoramento que ficam na Agamenon, o que vai ajudar no nosso trabalho”, afirmou.
Os números divulgados pela Polícia Militar refletem a opinião de quem transita pela Agamenon todos os dias. O aposentado José Hélio, 65 anos, é um dos entusiastas com as rondas constantes na avenida. “Me sinto muito mais seguro agora, melhorou bastante andar por aqui. A gente vê a polícia o tempo todo, fica mais em paz”, afirmou. Já para a cabeleireira Lena Leandro, 54, o policiamento frequente na via trouxe mais tranquilidade, mas ainda é preciso fazer mais. “Ver mais policiais nos dá uma sensação de melhoria, de mais segurança. Mas não adianta ser só aqui, é preciso que esse policiamento chegue a outros lugares, pois a violência continua grande”, criticou.

Sobre as queixas, o diretor da PM afirmou que estudos estão sendo realizados em outros bairros para ver a necessidade de remanejar policiais para outras áreas, mas sem que isso prejudique as rondas da Agamenon. O coronel frisou que a operação na avenida não tem data para acabar.



Ordenamento

Os vendedores ambulantes que trabalham pela avenida também aprovaram a intensificação da presença dos agentes nos últimos meses. Para Moisés Pedro, 59 anos, que há 4 anos tem uma barraca em uma das paradas de ônibus localizadas na Agamenon, a sensação de segurança é algo comum agora. “Eu me sinto muito mais seguro agora. Depois que os policiais passaram a ficar por aqui, a gente não vê assalto, que era constante por essas bandas. Minha única preocupação é que às vezes fica sem ninguém, principalmente na hora do almoço, ai ficamos com medo de acontecer alguma coisa”, contou.
Já para Valdeilson Santos, 37 anos, 23 deles como vendedor ambulante no bairro do Derby, as pessoas perderam o medo de comprar os seus produtos após o reforço no policiamento, já que os assaltos eram praticados por falsos comerciantes. “Para mim, melhorou totalmente. O pessoal já não tem mais tanto medo de comprar, porque sabe que não vai ser assaltado, por isso as vendas aumentaram”, explicou.

A questão dos ambulantes ainda é um desafio para a Agamenon Magalhães. No dia do anúncio no reforço do policiamento, a PM anunciou uma parceria com a Prefeitura do Recife para cadastrar os vendedores informais que trabalhassem na via, a fim de inibir a ação de pessoas que se passam por ambulantes para praticar crimes. De acordo com a Secretaria de Controle Urbano, o cadastramento foi finalizado e todos os dados, repassados à Polícia Militar. A Diretoria Metropolitana Integrada da PM informa que os dados de cerca de 200 vendedores foram incluídos em um levantamento. “Essas informações vão nos ajudar a identificar quem realmente está lá para trabalhar e quem são aqueles que não estão ali com esta intenção. Esses dados também podem ajudar o cidadão que for vítima de alguma ocorrência na Agamenon. Mas essa ajuda só pode acontecer se for prestada a queixa”, afirmou Ricardo Barbosa.

Para o ambulante Valdeilson, apesar de o cadastro ter sido feito, falta o principal: a identificação. “Eles vieram aqui, tiraram nossa foto, pegaram nossos dados, mas ainda falta o crachá, alguma maneira de identificação, para mostrar que a gente é trabalhador para quem passa aqui pela avenida”, cobrou.


Recomendados para você


Comentários

Por Mendes,08/11/2017

Porque estão colocando esta propaganda do Omo.no site tirem esta porcaria daí!

Por EDWIN,08/11/2017

O que uma eleição política faz hemmm! o incompetente do Paulo CÂmara,pensa que o povo é besta.teremos eleições em 2018.estar querendo se reeleger.político nefasto,desonesto.pergunto porque ele não fez isto antes.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM