Jornal do Commercio
CASO BEATRIZ

Família de Beatriz pedirá quebra de sigilo das investigações

A família teve acesso aos inquéritos negado pela Polícia Civil, porque o caso está sob sigilo

Publicado em 13/11/2017, às 18h01

Familiares e amigos da menina realizaram protesto nesta segunda-feira (13), em frente ao Palácio do Campo das Princesas / Foto: Luisi Marques/ JC Imagem
Familiares e amigos da menina realizaram protesto nesta segunda-feira (13), em frente ao Palácio do Campo das Princesas
Foto: Luisi Marques/ JC Imagem
Editoria de Cidades

Após reunião com representantes do governo Estadual no Palácio do Campo das Princesas, os pais da pequena Beatriz Mota, de sete anos, assassinada em Petrolina, Sertão do Estado, em dezembro de 2015, voltaram para casa nesta segunda-feira (13) com mais promessas na bagagem. De acordo com Lúcia Mota, mãe da menina, a Polícia Civil deve dar um parecer sobre o envolvimento dos funcionários do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora no crime até o fim desta semana. Além disso, a família deve pedir na Justiça a quebra do sigilo das investigações.

Família e amigos viajaram cerca de 12 horas de Petrolina ao Recife para cobrar transparência nas investigações. Em agosto, a mãe e o pai da menina pediram acesso ao inquérito e, desde então, estavam sem respostas. "Nosso pedido foi negado pela polícia. Agora, vamos entrar com recurso, já que é nosso direito ter acesso a esses documentos", destacou a mãe, ao fim da reunião. 

Participaram do encontro o secretário-executivo da Casa Civil, Marcelo Canuto, o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, o chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Joselito Kehrle e a delegada responsável pelo caso, Gleide Ângelo. Segundo o delegado Joselito Kehrle, a família não conseguiu acesso ao inquérito porque o mesmo segue sob sigilo. Assim, foi recomendado pelo Estado que os pais buscassem a quebra de sigilo do caso, o que, de acordo com o advogado da família, deve acontecer.



"A família vem trabalhando de maneira paralela às investigações e deseja trabalhar pelas investigações para se chegar ao executor, ao mentor e aos participantes. Então, vamos buscar judicialmente essa abertura, com o maior cuidado para não atrapalhar as investigações", informou o advogado Jaime Badeca Filho.

PARCERIA

O chefe da PCPE afirmou ainda que um termo de cooperação entre as Polícias Civil e Federal deve ser firmado para auxiliar na investigação do caso, já que o suspeito pode estar fora de Pernambuco. 

Saiba mais sobre o protesto no Conexão: 


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM