Jornal do Commercio
AGRESTE

Mulher era mantida em cárcere privado dentro de prostíbulo em Toritama

De acordo com a polícia, o local era vigiado 24h por dia por câmeras de segurança e protegido por cercas elétricas

Publicado em 13/03/2018, às 22h10

Prostíbulo funcionava às margens da PE-90, em Toritama / Foto: Reprodução/TV Jornal Interior
Prostíbulo funcionava às margens da PE-90, em Toritama
Foto: Reprodução/TV Jornal Interior
JC Online
Com informações da TV Jornal Interior

Às margens da PE-90, no município de Toritama, Agreste de Pernambuco, o que parecia ser apenas um ponto de bar escondia um centro de prostituição clandestino. Além do agenciamento de pessoas para a exploração sexual, a dona do estabelecimento, Meriele Francisca da Cruz, de 42 anos, mantinha em cárcere privado uma das mulheres que trabalhavam no bordel. O prostíbulo foi localizado nesta terça-feira (13), por volta do meio dia, após denúncia anônima.

Segundo a Delegacia de Toritama, a informação foi recebida pela Delegacia de Santa Cruz do Capibaribe. Em uma ação que envolveu as duas delegacias e Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (BEPI), o centro foi encontrado e, no local, havia duas mulheres. Uma delas está grávida.

A outra, de 32 anos, era mantida em cárcere privado desde o período de Carnaval, conforme relatos da vítima. A mulher contou que já trabalhava como prostituta no centro, no entanto, numa das vezes em que foi ao estabelecimento de Meriele, foi impedida de sair. Os policiais a encontraram debilitada, mas, por questão de segurança, não informaram se ela foi encaminhada para um hospital ou se pôde seguir para casa.



Segurança máxima

De acordo com a Polícia Civil, o espaço, que tinha alvará para funcionar apenas como bar, era vigiado 24h por dia por câmeras de segurança e protegido por cercas elétricas. Em depoimento, as vítimas afirmaram que sofriam maus tratos e eram impedidas de sair do local.

Uma das mulheres contou que chegou a ter os cabelos cortados pela dona do bar. Em entrevista à TV Jornal Interior, ela disse que recebeu o chamado de um homem, que pensou ser um cliente, para outra área afastada do bar. Chegando ao local, ela viu Meriele com uma tesoura na mão, ao lado de outra garota. "Ela começou a puxar os meus cabelos, subiu em cima de mim e começou a cortar meu cabelo e me bater", relembrou.

Meriele Francisca da Cruz foi presa em flagrante delito e levada para a Delegacia de Toritama. Ela foi autuada por rufianismo (a prática de agenciamento de pessoas para a prostituição) e cárcere privado. Nesta quarta-feira (13), ela será encaminhada para a audiência de custódia, na cidade de Santa Cruz do Capibaribe. Caso condenada, Meriele pode pegar de dois a oito anos de prisão.


Recomendados para você


Comentários

Por ISMAEL BARBOSA CAMPOS,14/03/2018

Fica de boa Meriele vou te passar o número de Gilmar mendes.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM