Jornal do Commercio
FATALIDADE

Fundadora do bloco Eu Acho é Pouco é encontrada morta em Olinda

O corpo da artista plástica Maria Alice Soares dos Anjos, de 74 anos, foi encontrado por amigos no quintal da casa dela

Publicado em 14/03/2018, às 00h52

Instituto de Criminalística (IC) foi ao local verificar possível agressão à artista plástica / Foto: Edson Araújo / TV Jornal
Instituto de Criminalística (IC) foi ao local verificar possível agressão à artista plástica
Foto: Edson Araújo / TV Jornal
JC Online
Com informações da TV Jornal

Uma das fundadoras do bloco carnavalesco Eu Acho é Pouco foi encontrada morta no quintal de casa na noite dessa terça-feira (13), em Olinda, no Grande Recife. Maria Alice Soares dos Anjos, de 74 anos, era artista plástica e arquiteta aposentada da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Ela residia na Rua Treze de Maio, bairro do Carmo. O corpo da artista plástica foi localizado por amigos.

Maria Alice, conhecida como “Baixinha”, praticava pilates regularmente, mas não compareceu ao treino da terça. Desconfiados, alguns amigos foram até a residência dela. Eles chamaram por ela e não obtiveram resposta. Acabaram entrando na casa de Maria Alice através de uma casa vizinha e a encontraram deitada no chão, desacordada.



Perícia está no local para confirmar se Maria Alice foi atacada ou não

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e constatou que a arquiteta estava morta. A Polícia Militar e o Instituto de Criminalística (IC) também foram acionados e seguiram para o local. Os peritos estão na residência para verificar se Maria Alice foi agredida ou se ela teve um mal súbito e caiu.  A “Baixinha” foi uma das artistas que trabalhou na confecção do primeiro estandarte do bloco Eu Acho é Pouco, um dos mais tradicionais do carnaval de Olinda.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM