Jornal do Commercio
QUADRILHA

Polícia prende 34 pessoas por assaltos a banco no Agreste e Sertão

A quadrilha foi presa durante a operação Fulni-ô, organizada pela Polícia Civil. Eles praticavam assaltos, latrocínios e homicídios em todo Nordeste

Publicado em 14/03/2018, às 14h32

Os agentes também realizaram a apreensão de armas e munições que estavam sob a posse dos suspeitos / Foto: Divulgação/Polícia Civil
Os agentes também realizaram a apreensão de armas e munições que estavam sob a posse dos suspeitos
Foto: Divulgação/Polícia Civil
JC Online

O balanço da Operação Fulni-ô, deflagrada pela Polícia Civil, foi divulgado nesta quarta-feira (14) em reunião com a imprensa.

Foram cumpridos 34 mandados de prisão preventiva e 28 mandados de busca e apreensão domiciliar. Alessandro Pessoa dos Santos Mendonça Cornélio, conhecido com “Vaqueiro”, já estava preso e foi identificado como o líder da organização. Além dele, 14 pessoas que integram a quadrilha também estão reclusos e receberam o mandado de prisão preventiva. Outras 19 foram capturadas pelos agentes e encaminhadas ao presídio da região.

Eles são suspeitos de associação criminosa, roubo a bancos e carros fortes, além de envolvimento em homicídios, latrocínios, tráfico de entorpecentes e roubo a veículos. Segundo o delegado Ariosto Esteves, “todos os envolvidos tinham profissões dignas, eram vaqueiros, trabalhadores da roça, mas viram no crime uma oportunidade de ascensão econômica mais rápida”.

Novo cangaço

O grupo intitulado como “Novo Cangaço”, tinha integrantes nos municípios de Petrolina, Cabrobó, Salgueiro, Trindade, Floresta, Serra Talhada, Garanhuns e Bom Conselho. Eles se entrosaram com outros bandidos e conseguiam atuar no Nordeste todo. 



De acordo com o delegado, a quadrilha amedrontava os moradores da localidade, usando armamento pesado para praticar os crimes. Moradores da região eram usados como reféns e escudo humano, como forma de proteção para os integrantes da quadrilha. "Além do medo, os municípios ficaram sem agência bancária, impossibilitando o uso de contas e recebimentos de benefício, como a aposentadoria", conta Esteves. 

Ainda conforme o delegado, “cada um da quadrilha tinha uma função específica. Uns obtinham informação privilegiada sobre os carros fortes ou agências dos bancos, outros intimidavam quem quisesse se aproximar, e tinha aqueles que agiam, explodindo cofres, abordando os carros. Eles conheciam rotas de fuga e veredas no sertão que a polícia ainda desconhece, podendo se evadir com mais rapidez, sem deixar rastros”.

O capitão Pedro Morais, do Batalhão Especializado em Policiamento no Interior, conta que “na ação, eles agiam fortemente armados, com fuzis, pistolas e coletes. Eles não se entregam. Sempre iniciavam um confronto com a polícia e acabavam escapando”.

A operação Fulni-ô, que vem atuando desde 2017, envolveu 112 policiais civis e equipes do Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (Bepi) da Polícia Militar (PM) deram apoio às buscas e apreensões. “A operação prendeu uma parte da quadrilha, ainda há pessoas foragidas, outras já foram identificadas, mas ainda não foram qualificados”, pontua o delegado Esteves. Os que foram presos, ficarão à disposição da justiça, onde serão avaliados pelos crimes que foram autuados.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM