Jornal do Commercio
Avanços

Nova luz no tratamento contra a esclerose múltipla

Pacientes com a forma primária agressiva da doença deixam de ser órfãos de tratamento

Publicado em 15/07/2017, às 18h00

Segundo o médico Edgardo Cristiano, doença se manifesta três vezes mais em mulheres do que em homens  / Foto: Divulgação
Segundo o médico Edgardo Cristiano, doença se manifesta três vezes mais em mulheres do que em homens
Foto: Divulgação
Cinthya Leite

BUENOS AIRES - Doença do sistema nervoso central e que acomete mais de 30 mil pessoas no Brasil, a esclerose múltipla é um enigma para médicos e cientistas. Não se sabe ainda exatamente os motivos que levam o sistema imunológico dos pacientes a atacar a membrana que cobre as células nervosas no cérebro (chamadas de bainha de mielina), assim como a medula espinhal e os nervos ópticos. Embora muitas perguntas ainda faltam ser respondidas, o conhecimento que se tem atualmente já leva novas esperanças para os pacientes, especialmente aqueles que convivem com a esclerose múltipla primária progressiva, caracterizada por sintomas que evoluem e se acumulam ao longo do tempo de doença.

Os avanços do tratamento para esse tipo da enfermidade foram apresentados, no último dia 6, durante a 6° edição do Roche Press Day, um fórum de jornalismo em saúde realizado em Buenos Aires, na Argentina, com apoio da Fundação Gabriel García Márquez para o Novo Jornalismo Ibero-americano (FNPI). A nova opção terapêutica, já aprovada nos Estados Unidos e com previsão de receber o aval no Brasil da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda este ano, é considerada um progresso para os neurologistas, que não contavam com medicações específicas para sugerir a quem tem a esclerose múltipla primária progressiva. “É uma forma menos comum e que atinge 10% dos pacientes. Preocupa porque, desde o início do desenvolvimento da doença, esse tipo evolui de forma contínua. Agora, essas pessoas não são mais órfãs de tratamento. É um dos grandes avanços dos últimos 20 anos”, destacou o médico Edgardo Cristiano, chefe do Serviço de Neurologia Clínica e diretor do serviço de Esclerose Múltipla do Hospital Italiano de Buenos Aires.

Conhecida como ocrelizumabe, a substância é um anticorpo monoclonal que atua apenas num tipo específico de célula imunológica que determina danos anormais à mielina (substância que promove o isolamento e suporte de células nervosas). O medicamento também é indicado para o tipo mais comum de esclerose múltipla, encontrado em cerca de 85% dos casos. Chamada de remitente recorrente, essa forma da doença é caracterizada por exacerbações (surtos) seguidas por um grau de melhora total ou parcial. Já a forma progressiva desponta com sintomas e déficits neurológicos sem remissão das lesões. Entre os problemas apresentados pelos pacientes, estão comprometimento da visão, falta de equilíbrio e paralisia dos membros.



JC-CID0716_ESCLEROSE_WEB

“Nas duas últimas décadas, só acompanhávamos as pessoas com esclerose múltipla num caminho incerto e doloroso. Há cerca de dez anos, tratávamos os pacientes quando tinham algum grau de deficiência e doença já avançada. Atualmente os medicamentos passaram a ser mais efetivos se usados precocemente", salientou Edgardo.

Pesquisa

Um estudo que investigou a ação do ocrelizumabe, por exemplo, mostrou que as pessoas com esclerose múltipla primária progressiva que usaram a medicação não tiveram progressão de incapacidade e relataram redução da fadiga, em comparação com aqueles que tomaram placebo (substância inerte). Os pacientes que participaram da pesquisa e fizeram uso do ocrelizumabe também apresentaram redução da chance de ter surtos graves e progressão da deficiência, além de diminuição do risco da necessidade da utilização de cadeira de rodas.

 * A repórter viajou a convite da organização do evento


Recomendados para você


Comentários

Por wagner marques,16/07/2017

Ola fico feliz por esta descoberta, se precisar de pessoas para experiencia por favor chama minha mae.....gostaria muito de ve ela saudavel de novo



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM