Jornal do Commercio
JC 360

O glaucoma sob controle

Controle da pressão intraocular é chave do tratamento. Doença é considerada uma das principais causas de cegueira irreversível no mundo

Publicado em 28/10/2017, às 06h00

O glaucoma é uma das principais causas de cegueira no mundo. / Ashlley Melo/JC360
O glaucoma é uma das principais causas de cegueira no mundo.
Ashlley Melo/JC360
JC Online

A funcionária pública aposentada Maria Betânia Leal, 55 anos, não podia imaginar que ao acompanhar a mãe em uma consulta de rotina ao oftalmologista acabaria trocando de lugar com ela e descobrindo um problema na visão.

"A consulta não era para mim. Eu acredito que como minha mãe já tinha o glaucoma, o médico também resolveu medir a minha pressão intraocular. Foi quando eu descobri que ela estava extremamente alta", conta.

O glaucoma é uma doença degenerativa e progressiva que afeta as fibras nervosas que compõem o nervo óptico e pode levar o paciente a uma perda gradual e irreversível da visão. "O nosso olho produz um líquido importantíssimo. No paciente com glaucoma existe algum tipo de obstrução, a saída do líquido não acontece de forma adequada, então a pressão intraocular começa a aumentar e a destruir o nervo óptico", explica a oftalmologista Nara Galvão, do Hospital da Visão de Pernambuco (HVISÃO).

Ao contrário de outras doenças relacionadas à visão, que costumam apresentar sintomas, o glaucoma é considerado silencioso. O problema, considerado uma das principais causas de cegueira irreversível no mundo, na maioria das vezes, só é percebido quando já há uma perda importante no campo visual. "Nós costumamos dizer que o glaucoma é um ladrão que entra na sua casa no meio da madrugada e rouba a sua visão sem dar sinais. A perda de visão se dá da periferia para o centro. É o que nós chamamos de visão tubular. Você enxerga o que está no meio, mas não o que está ao redor", diz Nara Galvão.



O aparecimento do problema está ligado a fatores genéticos, podendo acontecer em qualquer idade, sendo mais comum a partir dos 55 anos e mais severo em pacientes negros. "Uma vez que o paciente é diagnosticado com o glaucoma, ele vai ter essa condição a vida inteira", destaca a oftalmologista do HVISÃO.

Para impedir o avanço da doença é preciso controlar a pressão intraocular. Quando o diagnóstico é feito ainda no início, o tratamento com colírios pode ser suficiente. Há ainda a opção de lasers e a cirurgia tradicional, conhecida como trabeculectomia, que criam novos caminhos para o escoamento do liquido produzido no olho.

Atualmente, há ainda um novo tipo de tratamento, as chamadas cirurgias de glaucoma minimamente invasivas - Microinvasive Glaucoma Sugery (MIGS) na sigla em inglês. "Esse procedimento microinvasivo usa um stent, o menor do corpo humano até hoje lançado, com um milímetro. Ele é colocado na malha trabecular, que é a região que existe a maior drenagem do liquido para sair do olho", destaca a Nara Galvão. "Os MIGS vieram para ocupar um espaço onde ainda não é preciso baixar drasticamente a pressão ocular, no caso de glaucomas leves e moderados.", completa.

Apesar de irreversível, com o diagnóstico precoce e o tratamento adequado é possível controlar o avanço da doença. E a aposentada Maria Betânia sabe bem disso. "O meu campo visual é um pouco comprometido na parte superior, mas tudo está controlado, porque eu faço os meus exames e me consulto regularmente", diz.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM