Jornal do Commercio
JC 360

Catarata: a tecnologia do olho no olho

Boa conversa entre médico e paciente é chave para fazer a escolha certa

Publicado em 03/03/2018, às 06h00

Dra. Ana Cristina Amaral, do HVISÃO / Ashlley Melo/JC360
Dra. Ana Cristina Amaral, do HVISÃO
Ashlley Melo/JC360
JC Online

Foram 45 anos sustentando armações de óculos no rosto. Desde os nove, a psicóloga Tânia Tourinho tinha problemas de visão, e só conseguiu se livrar das lentes aos 54. Foi a cirurgia de catarata que lhe proporcionou essa liberdade. Além de corrigir o problema de saúde, corrigiu os graus de miopia e astigmatismo que trouxe consigo durante quase toda a vida e, também, a presbiopia, que veio ao longo dos anos. “Desde o dia em que saí para fazer a cirurgia no primeiro olho que eu não vi mais meus óculos. Não quero nem saber onde estão!”, diz satisfeita.

Assista ao vídeo:

Tânia conta que o primeiro sintoma da catarata foi ter a visão “anuviada”. Ela sabia que não enxergava bem sem óculos, mas essa falta de nitidez era nova e nem as lentes resolviam. “A sensação era de que os óculos não estavam limpos”, explica.

A catarata se caracteriza pela diminuição da transparência de uma lente natural que temos dentro dos olhos, chamada de cristalino. Por volta dos 50, a lente começa a se modificar de forma mais acentuada e passa a perder a transparência tornando-se opaca.

Os primeiros sintomas são embaçamento, diminuição da qualidade da imagem e piora na visão noturna. “É como se você estivesse olhando o mundo através de uma janela suja", define a médica oftalmologista do Hospital da Visão de Pernambuco (HVISÃO), dra. Ana Cristina Amaral.

O diagnóstico da catarata é feito, inicialmente, dentro de consultório. Exames confirmam a condição, mas a conversa olho no olho entre paciente e médico é fundamental na hora de identificar o problema. “Cada paciente que vem aqui ao meu consultório com catarata, eu faço uma entrevista: pergunto a idade, ocupação, se pratica esportes, o que ele gosta de fazer com a visão. É um verdadeiro desafio, muito prazeroso para nós, encontrar para cada paciente aquela lente que vai deixá-lo mais confortável”, prossegue dra. Ana Cristina.



A oftalmologista se refere à lente que vai substituir o cristalino, porque é assim que o tratamento da catarata funciona: com cirurgia. Não há tratamento clínico. A lente natural do olho é substituída por uma, artificial; essa decisão depende de inúmeros fatores e varia de paciente para paciente.

“O cristalino é uma lente que precisa ser substituída por outra lente. Nós temos hoje um leque de opções. Não há a melhor lente. Há a melhor lente para Ana, para André, para Maria... E essa escolha é feita no consultório, nesse contato do médico com o paciente”, afirma.

No caso de Tânia, ela e a médica Ana Cristina escolheram uma lente artificial que já pudesse, além de substituir o cristalino, corrigir a miopia, o astigmatismo e a presbiopia. “Ao fazer uma cirurgia dessas, você começa a ver mais cores, mais luminosidade, mais clareza. Você tem um descortinar de novas cores. É muito interessante”, afirma a paciente.

Para Tânia, a atenção de doutora Ana Cristina Amaral fez a diferença para deixá-la tranquila e segura com relação ao procedimento. Já para a oftalmologista, saber mais sobre a paciente ajudou a definir com mais clareza a lente necessária e decidir o melhor procedimento para solucionar o problema de Tânia. Poder contar com as mais modernas tecnologias é indispensável no processo, mas nada substitui o contato humano do médico com o paciente.

“Nada, nenhuma tecnologia, nenhum equipamento vai suprir esse contato. No nosso dia-a-dia, eu acho muito importante essa conversa, essa busca de entender e conhecer melhor o paciente, para que eu possa cumprir a expectativa dele da melhor forma possível”, conclui a médica.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM