Jornal do Commercio
Saúde

Câncer mata mais que infarto e derrame em Tacaimbó, no Agreste de PE

Tacaimbó é a única cidade, em Pernambuco, onde tumores já representam primeira causa de óbito

Publicado em 17/04/2018, às 09h49

Levantamento mostra que crescimento das mortes por
câncer foi quase 3 vezes mais rápido do que daquelas provocadas por infarto ou
derrame / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Levantamento mostra que crescimento das mortes por câncer foi quase 3 vezes mais rápido do que daquelas provocadas por infarto ou derrame
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Cinthya Leite

Nem doenças cardiovasculares nem infecções respiratórias. O que mais mata em Tacaimbó, município do Agreste de Pernambuco, é o câncer. É a única cidade, no Estado, onde os tumores já representam a primeira causa de óbito, na frente do infarto e do acidente vascular cerebral, conhecidos como responsáveis pela maior fatia das mortes no mundo. O levantamento inédito, divulgado na segunda-feira (16), é feito com base nos números oficiais do Sistema de Informações de Mortalidade de 2015 – último período com estatísticas disponíveis. Os dados foram analisados pelo Observatório de Oncologia do movimento Todos Juntos contra o Câncer, em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM).

O estudo revela ainda que outros 515 municípios brasileiros já têm o câncer como principal causa de morte. O número corresponde a aproximadamente 10% de todas as cidades no País. O levantamento reforça que todos os tipos da doença avançam a cada ano, o que leva a inferir que as neoplasias serão as responsáveis pela maioria dos óbitos no Brasil em pouco mais de uma década.

"Pacientes do SUS têm dificuldade de acesso a medicação inovadora. Isso também se reflete na mortalidade", diz a oncologista Cristiana Tavares

Já em Tacaimbó (cuja população é de 12.853 habitantes), entre os 93 óbitos, 20 foram por câncer, representando uma taxa de 22% de mortes pelos tumores. O município é um dos 32 que integram a 4ª Regional de Saúde de Pernambuco (com sede em Caruaru, também no Agreste), que coordena a rede de atenção para garantir o acesso da população aos serviços de saúde.

“No Centro de Oncologia de Caruaru, recebemos pacientes de Tacaimbó, que fica a cerca de 40 minutos da unidade de saúde. Há um convênio com o SUS (Sistema Único de Saúde), e são oferecidos radio e quimioterapia aos pacientes do centro, que é uma Unacon (sigla para Unidade de Assistência de Alta Complexidade)”, informa a oncologista Cristiana Tavares, que também é chefe do Centro de Oncologia (Ceon) do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), em Santo Amaro, área central do Recife.

Para a oncologista, o aumento do número de mortes por câncer pode ser explicado por diversos fatores, como o diagnóstico tardio dos tumores para a maioria da população com a doença e a demora para se realizar exames que analisam o tipo de câncer. “Em média, entre o resultado de uma mamografia (com nódulo suspeito) até a realização de uma biópsia, não se passam menos de dois meses. Esse tempo, em que o paciente já deveria estar em tratamento, só faz atrasar a assistência”, frisa Cristiana Tavares.



Acesso a tratamento

A coordenadora do Todos Juntos contra o Câncer e presidente e da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale), Merula Steagall, concorda que o aumento da mortalidade pela doença, em todo o País, está relacionado também a dificuldades enfrentadas pelo paciente para o diagnóstico e para o acesso ao tratamento. “Diversos tipos de câncer são evitáveis e outros têm o risco de morte significativamente reduzido quando diagnosticado precocemente”, destacou Merula Steagall, na segunda-feira (16), durante a apresentação do levantamento.

Hospital terá centro de oncologia 

Mestre Vitalino disponibilizará 30 leitos voltados para o tratamento contra o câncer

O Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru, município do Agreste de Pernambuco e sede da Regional de Saúde da qual Tacaimbó faz parte, habilitará este ano um centro de oncologia (ambulatório oncológico e central de quimioterapia), com investimento de mais de R$ 1,4 milhão. A informação é da Secretaria Estadual de Saúde (SES). A implantação do centro de oncologia, segundo o governo, reduzirá o deslocamento dos pacientes que moram no Agreste, pois serão disponibilizados 30 leitos para quem precisar de tratamento oncológico.

Na unidade Mestre Vitalino, será feita a aplicação de quimioterapia nos pacientes, que poderão ser liberados para voltar para casa (após o procedimento) ou permanecer, se necessário, em um dos 30 leitos do setor de oncologia. Com o novo prédio, a unidade também passará a realizar cirurgias oncológicas e será referência para a população de 53 municípios do Agreste pernambucano.

A SES ainda acrescenta que o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip), nos Coelhos, Centro do Recife, está habilitado pelo Ministério da Saúde como Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon). Outros nove estabelecimentos estão certificados como Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon). Nessas unidades, são realizadas cirurgias oncológicas, quimioterapia e radioterapia (própria ou contratada).

Sobre o encaminhamento dos pacientes para a rede referenciada, após consultas na atenção primária, o paciente com suspeita de câncer, pode ser direcionado para as Unidades Pernambucanas de Atenção Especializada (UPAEs). Se for confirmada a doença, é feito encaminhamento para hospitais de referência.


Recomendados para você


Comentários

Por Erison,17/04/2018

Matéria decepcionante por não citar o motivo para tanto cancer nessa cidade. Agrotóxicos na agricultra? Garimpo?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Vidas Compartilhadas Vidas Compartilhadas
O JC apresenta o mundo da doação e dos transplantes de órgãos pelas vozes de pessoas que ensinam, mesmo diante das adversidades, a recomeçar a vida quantas vezes for preciso.
JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM