Jornal do Commercio
cultura cultura
  • Tamanho do texto:
  • A-
  • A+

Circo

Magia circense na terra de Ariano Suassuna

Festival de Circo do Brasil faz apresentação gratuita em Taperoá, na Paraíba.

Publicado em 01/03/2012, às 06h05

Mateus Araújo

Festival de Circo do Brasil, em Taperoá, atrai multidão à praça central da cidade. / Lana Pinho/Divulgação

Festival de Circo do Brasil, em Taperoá, atrai multidão à praça central da cidade.

Lana Pinho/Divulgação

É início de tarde, em Taperoá, na Paraíba. O caminhão que para na praça da cidade chama atenção pelas suas cores. O cartaz anuncia: “O circo está chegando!” Em menos de duas horas, luzes e som, misturados a curiosidade, convidam crianças, adultos e idosos para uma viagem ao lúdico e mágico universo circense. O cenário e a descrição até parecem uma das histórias do escritor, dramaturgo e secretários de Assessoria ao Governador de Pernambuco, Ariano Suassuna, sobre as lembranças de sua infância no lugar, mas, na verdade, é uma nova trupe que chegou à cidadezinha de aproximadamente 15 mil habitantes, no Sertão paraibano, junto com o Festival de Circo do Brasil, na última segunda-feira (27).

Talvez não houvesse um lugar tão apropriado para esta parada. Quem passeia por Taperoá encontra nas ruas, nas falas e no povo local claras referências e cenas das obras de Ariano. E, desta vez, ainda mais: o circo e o teatro, tão recorrentes nas histórias e nos personagens do escritor, encantam os moradores. O mesmo encanto que marcou a infância de Ariano Suassuna e ganhou vida em suas criações. Foi aqui que Chicó e João Grilo viveram as peripécias contadas no livro Auto da Compadecida. A cidade também é o centro do mundo de Quaderna, do Romance d’a Pedra do Reino, que conta as memórias de viagens por estradas e paisagens sertanejas.

Durante a manhã, nas escolas e nas ruas, panfletos são distribuídos entre os taperoaenses. Foi assim que Manuela Dantas Vilar, de 8 anos, e dona Ismênia Torreão, de 67, ficaram sabendo  da apresentação. As duas já viram passar pela cidade vários circos, mas o de hoje é diferente. Nada de lonas e arquibancadas. É a carroceria de um caminhão baú que vira o palco-picadeiro da apresentação gratuita. Não há animais também. O espetáculo acontece sob o comando dos palhaços com sotaque italiano.

Sem demora, os olhos das duas gerações encontram no palco o entretenimento, com a renovação da arte milenar circense. Já é noite, e os Giullari trazem as caretas, as piruetas e caras e bocas dos palhaços, para a satisfação e riso de Manuela. Tudo costurado às histórias, danças e interpretações, como tanto queria dona Ismênia. A apresentação é a mesma que viajou o mundo, com a companhia Giullari Senza Frontiere – que em português significa Palhaços Sem Fronteiras.

No palco, 11 artistas prendem a atenção de cerca de 1,5 mil pessoas que lotam a praça, no centro da cidade. Uma jovem italiana faz malabarismo com a massa de pizza, em vários tamanhos. A outra, de corpo elástico, se contorce inteira. O palhaço bailarino gordinho equilibra os palhacinhos assistentes nos seus ombros, que também fazem malabarismos com bolas, sob os aplausos do público. O mesmo acontece no número de malabares com bolas de vidro e com as tochas de fogo.  Tensão não falta, quando a mulher faz acrobacias e piruetas na bicicleta.

FESTIVAL
Criado há três anos, o módulo de circulação do Festival de Circo do Brasil leva aos estados brasileiros oficinas, apresentações e intervenções urbanas de artistas e grupos nacionais e internacionais. “No início, levamos o festival para as principais capitais do País, mas desta vez resolvemos trazer para o interior do Nordeste”, explica a idealizadora do projeto, Daniele Hoover.

Taperoá foi a terceira cidade por onde o caminhão-circo passou. Até o final deste mês, o projeto chega a mais 23 cidades, todas elas entre Pernambuco, Sergipe, Bahia, Paraíba e Alagoas.

O repórter viajou a convite do Festival de Circo do Brasil.

Leia a matéria completa no Caderno C desta quinta-feira (1).

imprima
envie para um amigo
reportar erro

Comentários

Por Inês ,02/03/2012

Olá .... Sou a mãe de Manuela !!! Tinha como receber a reportagem completa po email ??? E as fotos também ?? Seria pedir demais??? kk .. já que aqui em Taperoá não tem o jornal ... Agradece ....

Comentar


nome e-mail
comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

Fotos do dia

Sala Europa do Museu do Estado de Pernambuco, com quadros do Barão e Baronesa da Soledade
Foto: Edmar Melo/JC Imagem

> JC Imagem

Sala Europa do Museu do Estado de Pernambuco, com quadros do Barão e Baronesa da SoledadeHarpa de meados do século 19 compõe acervo da Sala Europa do Museu do Estado de PernambucoMuseu do Estado de Pernambuco reabre ao público nesta quinta-feira (18) com acervo do século 19Piano meia cauda de fabricação portuguesa, na Sala Europa do Museu do Estado de PernambucoMesa posta para o chá, remete ao costume inglês, na Sala Europa do Museu do Estado de Pernambuco

Ranking do dia

Especiais JC

Especial Novembro Azul Especial Novembro Azul
Site mostra os riscos do câncer de próstata e a importância da prevenção da doença.
Mapa das eleições 2014 Mapa das eleições 2014
Veja como foi a votação para presidente por Estado
Facebook Twitter RSS Youtube
Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM