Jornal do Commercio
Esquerda

Trilogia Abnegação investiga, nos palcos, ascensão e queda do PT

Peças são destaque no Trema! Festival de Teatro

Publicado em 07/05/2017, às 10h00

Entranhas do jogo político são expostas no espetáculo / Divulgação
Entranhas do jogo político são expostas no espetáculo
Divulgação
Márcio Bastos

O tema desta quinta edição do Trema! Festival é “distopias e realidades”. As questões que ele instiga são múltiplas e se apresentam de diferentes formas dentro da grade do evento. No caso da Trilogia Abnegação, do Tablado de Arruar (SP), o contexto político ganha contornos mais explícitos, investigando a ascensão da esquerda ao poder no Brasil. Os três espetáculos escritos por Alexandre Dal Farra serão exibidos em sessões únicas de segunda a quarta-feira, às 20h, no Teatro Hermilo Borba Filho.

Nascido do desejo de Dal Farra de explorar o “ponto cego” dos bastidores da política, aqueles jogos dos bastidores aos quais a população não tem acesso, o projeto se encerraria inicialmente em uma peça, mas o dramaturgo continuou a se debruçar mais sobre o tema à medida em que percebeu a profundidade da questão.

“O ponto de partida do trabalho era um olhar sobre o Partido dos Trabalhadores (PT) já estruturado no poder, no auge do governo. Era também entender o que significava essa chegada da esquerda ao poder e sua adesão às estruturas já consolidadas. Porém, percebemos que era preciso também investigar o sistema de uma forma mais abrangente até mesmo para entender como essas situações foram se desenhando”, explica Dal Farra.

A primeira peça estreou em 2014 e mostra uma reunião entre membros de um partido. Eles discutem uma questão que o público não sabe ao certo qual é. Fica claro, no entanto, que o desenrolar da questão pode custar a vida daquele que decidir. Já Abnegação 2 – Começo do Fim, toma como base o assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel, em 2002, até hoje não solucionado. A última parte da trilogia, intitulada Restos, investiga o momento posterior ao fim da hegemonia de um governo de esquerda, focando no reflexo dessa experiência em personagens do cotidiano.

“Percebo que, agora, vendo as peças é possível fazer um tipo de análise de um momento imediatamente anterior ao que estamos, gerando uma sensação maior de causa e consequência. É como se fosse possível perceber com mais clareza os processos que nos trouxeram até aqui e permitiram essa ascensão da direita conservadora. Passagens que pareciam possibilidades, hoje são acontecimentos concretos. Quando comecei a escrever a última peça, Dilma era presidenta. Ao estrear, ela havia sido deposta. Então é um processo muito intenso”, reflete.



Dal Farra acredita que é importante lançar olhares sobre essas questões, principalmente na tentativa de reconstruir uma ideia de utopia que um dia foi articulada pelo PT.

A direção das três obras é de Dal Farra e Clayton Mariano. No elenco, estão Alexandra Tavares, Vitor Vieira, Vinicius Meloni, André Capuano e Lígia Oliveira. Na quarta-feira, às 18h, haverá debate com os realizadores e lançamento do livro com a dramaturgia da trilogia, publicado pela Editora Javali.

LUGARES ESCUROS

Alexandre Dal Farra é hoje um dos dramaturgos mais premiados e requisitados do país. Autor de espetáculos com diversos grupos do país, como Mateus, 10, Conversas Com Meu Pai e O Filho, transita por questões espinhosas sem medo de mexer em feridas. Recentemente, o espetáculo Branco – O Cheiro do Lírio e do Formol, no qual o autor fala sobre o racismo institucionalizado, causou controvérsia.

“Percebo que esse desconforto é fala do meu teatro como um todo. Faço questão de colocar no palco aquilo que é ruim, que nos desagrada em nós mesmos, o que não gostaríamos de ser, mas somos. Quando me proponho para abrir espaço em cena para que essas coisas respirem, é arriscado e naturalmente vai gerar conflito. O consenso me incomoda e acho que no Brasil as questões incômodas existem, mas tendem a ficar em silêncio. A pessoas não quererem tratar dessas questões, mas uma coisa é certa: vivemos em um dos lugares onde o silêncio mais fala”, afirma.


Serviços

Trilogia Abnegação, do Tablado de Arruar – de 8 a 10 de maio, sempre às 20h, no Teatro Hermilo Borba Filho (Rua do Apolo, 121, Bairro do Recife). Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Informações: 3355-3320

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Hobbit - 80 anos O Hobbit - 80 anos
Como a maioria dos hobbits, Bilbo Bolseiro leva uma vida tranquila até o dia em que recebe uma missão do mago Gandalf. Acompanhado por um grupo de anões, ele parte numa jornada até a Montanha Solitária para libertar o Reino de Erebor do dragão Smaug
Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM