Jornal do Commercio
Fama

Alexandre Nero reflete sobre sucesso, fracasso e fala sobre projetos

Ator apresenta a peça 'O Grande Sucesso' no Teatro Boa Vista

Publicado em 19/05/2017, às 14h33

Alexandre Nero faz de O Grande Sucesso uma reflexão sobre a fama / Reprodução
Alexandre Nero faz de O Grande Sucesso uma reflexão sobre a fama
Reprodução
JC Online

Em uma época na qual quantidade de curtidas nas redes sociais muitas vezes contam mais do que qualidade e conteúdo, classificar algo como sucesso ou fracasso se torna uma tarefa mais complicada. Um dos atores mais requisitados da atualidade, Alexandre Nero quer ajudar a desmistificar a questão, com humor, e o faz de forma contundente no espetáculo O Grande Sucesso, que é apresentado de hoje a domingo, no Teatro Boa Vista.

O musical acompanha um grupo de oito atores do “segundo escalão” à espera de sua entrada em uma peça. Nesse ínterim, discutem questões relacionadas ao fazer artístico, realização pessoal e, claro, a dicotomia entre sucesso e fracasso.

“Queria mostrar que tudo isso é uma grande fantasia da nossa cabeça. A gente optou por uma estética bastante teatral, mas o espetáculo não fala especificamente de teatro, ele fala da vida. É uma comédia muito divertida, mas que propõe algumas reflexões”, pontua Nero.

Além dele, compõem o elenco Carmem Jorge (preparadora corporal e coreógrafa), os atores e músicos Rafael Camargo, Eliezer Vander Brock, Fernanda Fuchs, Fabio Cardoso, Edith de Camargo e o diretor musical Gilson Fukushima, todos curitibanos. A peça é escrita e dirigida por Diego Fortes.

Aos 47 anos, Nero, que também é cantor, afirma que a projeção nacional obtida desde a estreia na TV, em A Favorita (2009), não o ilude, principalmente porque sua trajetória remonta a muito trabalho, dedicação e fracassos.



“Essa questão de ser ou não bem sucedido é consequência, não me preocupa. Me interesso pelos personagens, pelas histórias, pelas pessoas envolvidas, tanto faz se o papel é pequeno ou de protagonista. Lido com o sucesso da mesma maneira como lido com o fracasso e acho muito importante ir contra essa era que a gente vive na qual tudo tem que ser sucesso, tudo é maravilhoso, ninguém lembra dos fracassos”, reforça.

PROJETOS

O ator está com a agenda cheia para os próximos meses. Entre os projetos nos quais está envolvido, o único já gravado é a série Filhos da Pátria, de Bruno Mazzeo, com estreia marcada para setembro na Globo. Ambientada no século 19, a obra foca na corrupção brasileira e como ela é resultado de anos de um sistema apodrecido. Ele vive Geraldo Bulhosa, funcionário público influenciado a entrar no esquema ilegal.

“A série mostra como a corrupção vai tomando conta do Brasil logo depois da Independência, quando os portugueses vão embora daqui. Geraldo é honesto mas acaba entrando no jogo da corrupção, primeiro por chantagem, depois por gosto pelo poder e pelo dinheiro. Com muito bom humor e uma crítica bastante afiada, a gente fala desse jeitinho brasileiro, que vai das grandes as pequenas corrupções”, adianta o ator.

Para a TV, ele estrelará ainda a supersérie Onde Nascem os Fortes, de José Luiz Villamarim, diretor de Justiça. No cinema, tem dois projetos engatados: os longas Sem Pai Nem Mãe, de André Klotzel, e João, no qual vive o maestro João Carlos Martins.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM