Jornal do Commercio
Performances

UM Coletivo apresenta '3 Catástrofes Sobre o Prazer' no Teatro Hermilo

Apresentações gratuitas tensionam relação entre arte e tecnologia

Publicado em 19/05/2017, às 20h21

Daniel de Andrade Lima é um dos performers em cena / Sofia Galvão/Divulgação
Daniel de Andrade Lima é um dos performers em cena
Sofia Galvão/Divulgação
JC Online

O corpo como matéria-prima e leitmotiv da arte. Em um momento em que o fazer artístico e a tecnologia se cruzam de forma veloz, compreender as reverberações dessa interação é uma preocupação crescente dos artistas. Os integrantes do UM Coletivo se debruçaram sobre o tema e desenvolveram 3 Catástrofes Sobre o Prazer, espetáculo que mescla dança e performance e tem apresentações gratuitas dias 20 e 21 de maio, no Teatro Hermilo Borba Filho.

O trabalho é composto por quatro solos desenvolvidos pelos artistas Daniel Andrade Lima, Heitor Dutra, Luiza Lira e Sofia Galvão. Desenvolvido em parceria com o MusTIC (Música, Tecnologia, Interatividade e Criatividade), grupo de pesquisa da UFPE que estuda o desenvolvimento de produtos e experiências que impactem a arte através da tecnologia.



SOLOS

Os solos são independentes e dirigidos por cada intérprete, mas tocam no tema comum das formas como as técnicas e tecnologias atravessam os corpos na contemporaneidade, abordando temas como sexualidade, raça, gênero e afetos.

“Nos interessa entender os conflitos e aproximações causados por essa relação. Nos interessa o corpo que falha, assim como o corpo que pode se beneficiar ao cruzar com a tecnologia”, explica Daniel Andrade Lima.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM