Jornal do Commercio
Polêmica

Londres nega visto de seis meses a dissidente chinês Ai Weiwei

O governo da Grã-Bretanha se justificou alegando a condenação judicial do artista

Publicado em 30/07/2015, às 22h14

Ai Weiwei exibe o passaporte devolvido / Instagram/Ai Weiwei

Ai Weiwei exibe o passaporte devolvido

Instagram/Ai Weiwei

O artista dissidente chinês Ai Weiwei afirmou nesta quinta-feira que a Grã-Bretanha lhe negou um visto de seis meses, limitando-o a três semanas, dando como explicação que teria omitido em sua demanda uma condenação judicial.

O artista contemporâneo chinês mais conhecido no exterior recuperou seu passaporte na semana passada, depois que as autoridades chinesas o retiraram durante quatro anos, e se apressou em pedir vistos à Alemanha e ao Reino Unido, dois países onde já expôs suas obras.

Ai Weiwei obteve rapidamente um visto de quatro anos, de múltiplas entradas, das autoridades alemãs, e seu amigo Liu Xiaoyuan, conhecido defensor dos Direitos Humanos na China, publicou nesta quinta-feira uma foto do artista embarcando em um voo da Lufthansa.

Mas os trâmites foram aparentemente mais difíceis com Londres, onde o governo conservador de David Cameron tenta esquecer o esfriamento das relações entre China e Grã-Bretanha, que começaram em 2012 após o encontro de Cameron com o Dalai Lama.

Ai Weiwei divulgou nesta quinta-feira em sua conta do Instagram uma carta procedente do serviço de vistos da embaixada do Reino Unido em Pequim, que menciona que era de notoriedade pública que o artista havia sido condenado pela justiça chinesa.

"Não declarou", dizia a carta, ressaltando que em consequência o artista receberá simplesmente de forma excepcional um visto de 20 dias em setembro.

Ai Weiwei reagiu nas redes sociais afirmando "não ter sido nunca indiciado ou condenado" e afirmando que os serviços britânicos "insistiram na veracidade de suas fontes e se negaram a revisar o assunto".

A curta duração da estadia na Grã-Bretanha concedida ao artista garante, assim, que Weiwei não esteja mais em Londres durante a visita do presidente chinês, Xi Jinping, em outubro.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM