Jornal do Commercio
SERRALVES

Bienal de São Paulo chega a Portugal, com obras dos pernambucanos Ana Lira e Gabriel Mascaro

É a primeira vez que a instituição brasileira promove uma itinerância de sua mostra em outro país

Publicado em 30/09/2015, às 15h42

Camila Molina/Agência Estado

A partir desta quinta-feira (1º10), uma seleção de obras expostas em 2014 na 31ª Bienal de São Paulo será apresentada no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, em Portugal. É a primeira vez que a instituição brasileira promove uma itinerância de sua mostra em outro país. "Tem um significado muito grande o país colonizado levar algo para o colonizador", diz o presidente da Fundação Bienal de São Paulo, Luis Terepins. À frente da diretoria da instituição desde 2013, o empresário orgulha-se de a Bienal ter "a cara do Brasil que deu certo". A recessão econômica é uma realidade - entretanto, os projetos da entidade não foram afetados por esse cenário, explica.

Em fevereiro, Terepins afirmou que a Fundação Bienal de São Paulo pretendia captar em torno de R$ 34 milhões para o biênio de 2015/2016. A alta soma, que inclui o orçamento da 32ª Bienal de São Paulo, prevista para o próximo ano - por volta de R$ 29 milhões, ele também contou na época -, continua no horizonte da instituição. "Cerca de 75% já está em negociação", conta. Além disso, o presidente destaca que a Bienal acaba de pagar para o Ministério da Cultura uma parcela de R$ 3,6 milhões como parte do acordo de quitar, até 2018, uma dívida de R$ 12,2 milhões com o governo federal.

A itinerância para Portugal de um recorte da 31ª Bienal, que teve curadoria-geral do escocês Charles Esche, é, agora, um passo novo da entidade, ou seja, a expansão internacional do programa que leva para outras cidades do Brasil, desde a 29ª edição, partes das mostras da instituição apresentadas no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Ibirapuera, em São Paulo. "Já estamos negociando com o Sesc as itinerâncias da 32ª Bienal para 2017", diz Terepins sobre a parceria com o Serviço Social do Comércio.

Para se ter uma ideia, 200 mil pessoas já visitaram as exposições itinerantes de 2015 - "40% do público que vem a São Paulo", considera o presidente. Campinas tornou-se um destaque, com 35 mil espectadores e, em novembro, será a vez de Cuiabá, em Mato Grosso, receber uma seleção de obras expostas em 2014 na instituição.

POTÊNCIA

Para Terepins, a internacionalização das itinerâncias da Bienal ganha mais potência na Europa do que nos EUA, por exemplo. A exibição, até 17 de janeiro de 2016, de Como (…) Coisas Que Não Existem - Uma Exposição a Partir da 31ª Bienal de São Paulo no Serralves, localizado no Porto, custou R$ 500 mil para a instituição brasileira, mas Paulo Lourenço, cônsul-geral de Portugal em São Paulo, destaca a também participação de empresas portuguesas com recursos para a mostra. "Como observador, vejo uma tendência no Brasil ao eurocentrismo", diz Lourenço. "Faz todo o sentido dar a conhecer na Europa o que a Bienal de São Paulo já faz há anos", completa.

A parceria entre os dois países para a apresentação da exposição no Serralves vem sendo costurada desde o ano passado, contam Terepins e Lourenço. "É um momento de redescoberta mútua que passa pela arte contemporânea", afirma o cônsul.

Além da exposição, serão promovidos encontros e debates no Serralves, que integram o programa da Bienal de São Paulo em Portugal. Charles Esche, curadores e críticos vão participar, no dia da inauguração da mostra, de uma mesa sobre o projeto da 31 ª edição do evento brasileiro, que dividiu opiniões no Brasil pela maneira como tratou de questões políticas.

Mais ainda, ocorrerá no dia 20, no auditório da instituição portuguesa, o seminário Cidades Performáticas, realizado em parceria com o Arq Futuro, criado pelos editores Marisa Moreira Salles e Tomas Alvim. Já para novembro está previsto o simpósio Colonialismo Inverso e, em dezembro, Direito à Cidade - Criminalização dos Pobres.

 


*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM