Jornal do Commercio
CHINÊS

Artista Ai Weiwei organiza coleta para conseguir peças de Lego

O jogo infantil foi envolvido em uma controvérsia nas redes sociais quando Ai afirmou que a Lego se recusou a lhe enviar peças porque "não pode aprovar a utilização (de seus produtos) para fins políticos"

Publicado em 27/10/2015, às 12h25

Folhapress

O artista dissidente chinês Ai Weiwei, 58, colocará pontos de doação de peças de Lego, anunciou nesta segunda-feira (26/10), depois de acusar a empresa dinamarquesa de se negar a atender um pedido seu por causa de suas motivações políticas.

O jogo infantil foi envolvido em uma controvérsia nas redes sociais quando Ai afirmou que a Lego se recusou a lhe enviar peças porque "não pode aprovar a utilização (de seus produtos) para fins políticos".

Nas redes sociais, internautas se mobilizaram para oferecer suas próprias peças Lego ao artista. O engajamento foi tamanho que o artista criou pontos de coleta do material em diferentes cidades, anunciou em sua conta no Instagram.

O polivalente artista chinês é crítico ao governo de Pequim, mas as tensões parecem ter diminuído nos últimos tempos.

Ai já utilizou peças de Lego para construir retratos de ativistas políticos de todo o mundo em uma exposição na prisão de Alcatraz, nos Estados Unidos, no ano passado. Ele pretende criar uma obra similar para uma mostra na Austrália.

"Ai Weiwei decidiu fazer uma nova obra para defender a liberdade de expressão e a 'arte política'", acrescentou em sua conta no Instagram.

Ai também lembrou que a companhia britânica Merlin Entertainments, dona e gestora dos parques temáticos Legoland, havia anunciado seu desejo de construir uma sede em Xangai na semana passada, por ocasião da visita oficial do presidente chinês, Xi Jinping, ao Reino Unido.

A casa matriz da Lego, Kirkbi, possui uma participação de 30% da Merlin.

Em nota, a companhia dinamarquesa declarou ao jornal britânico The Guardian que se dedica apenas a fornecer "grandes experiências lúdicas e criativas às crianças" e, por isso, "rejeita globalmente" se comprometer ou apoiar o uso de peças de seus produtos em projetos ou contextos políticos.

 

In September 2015 Lego refused to sell Ai Weiwei Studio a bulk order of Lego bricks for Ai's artworks to be exhibited at the National Gallery of Victoria in Melbourne on the basis of the works' "political" nature. Ai posted this notice on his Instagram on Friday, October 23rd. Lego's position triggered a torrent of outrage on social media against this assault on creativity and freedom of expression. Numerous supporters offered to donate Lego to Ai. In response to Lego's refusal and the overwhelming public response, Ai Weiwei has now decided to make a new work to defend freedom of speech and "political art". Ai Weiwei Studio will announce the project description and Lego collection points in different cities. This is the first phase of the coming projects.

Uma foto publicada por Ai Weiwei (@aiww) em Out 25, 2015 às 10:37 PDT

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM