Jornal do Commercio
Fim do mistério

Vocalista do Massive Attack pode ser o artista Banksy

Mais uma pista de que Robert Del Naja deve ser o anônimo e celebrado grafiteiro

Publicado em 23/06/2017, às 14h16

Del Naja: se não ele, o líder do grupo que assina as obras de Banksy / Reprodução Wikimedia
Del Naja: se não ele, o líder do grupo que assina as obras de Banksy
Reprodução Wikimedia
Bruno Albertim

Numa escadaria à beira do Rio Tâmisa, aparece a imagem de uma menina, fofinha como as de um antigo papel de cartas. Ela tenta alcançar o balão, provavelmente ganho num parque de diversões, depois que o vento o leva de sua mão. Por entre seu vestido negro, podemos, contudo, enxergar os contornos de seu frágil esqueleto.

A cena acima descrita é mais um dos grafites assinados por Banksy, um artista de rua que vem mexendo com a imaginação e os brios do mercado de arte não apenas de Londres, mas de grandes cidades do mundo, como São Francisco e Melborne. Os donos das grandes galerias dariam um dedo de menor importância para poder comercializar a obra de Banksy. Mas esbarram na mesma obsessão do público: saber quem ele é. Ninguém, até o momento, sabe exatamente quem é o artista.
Nesta sexta, 22, no entanto, a identidade pôde ter vindo à tona. Por um deslize.

Em entrevista ao podcast artista de hip hop Scroobius Pip, o DJ produtor musical inglês DJ Goldie teorizava sobre a contradição do grafite, valorizado como nunca no mercado e ainda estigmatizado socialmente. "Me dê uma bubble letter (tipo de letra, em geral, desprezada pelos artistas contemporâneos), coloque em uma camiseta, escreva 'Banksy', e estamos feitos. Podemos vender (...) Sem ofensa a Robert, o acho um artista brilhante, que virou o mundo da arte de cabeça para baixo", continuou.




Goldie pareceu ter ficado gelado de arrependimento, pausou a voz, logo depois que pronunciou a palavra "Robert". A mídia britânica não demorou a ligar os pontos. Banksy seria o músico Robert Del Naja, integrante da banda Massive Attack. A hipótese nem era nova.

Também conhecido como 3D, Robert Del Naja é amigo de Goldie - trabalharam juntos nos anos 1980.
Ano passado, o jornalista Craig Williams afirmou que Banksy não é uma, mas várias pessoas reunidas num grupo liderado por Robert Del Naja que, claro, despistou. "Banksy é um amigo, foi a alguns dos shows do Massive Attack. É só uma questão de logística e coincidência", disse ele.

DEPOIS DOS SHOWS

O fato é que os murais de Banksey costumam tatuar cidades do mundo por onde o Massive tem se apresentado. Seis grafites foram feitos em São Francisco, nos Estados Unidos, depois de concertos na cidade. Exista individualmente ou não, Banky ainda assinou o prefácio "3D and the Art of Massive Attack", lançado por Del Naja no ano passado.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM