Jornal do Commercio
Fundaj

Victor Mattina desvenda o cemitério de Santo Amaro na exposição Luzia

. A partir de retratos tirados no local, carioca criou telas que refletem sobre passagem do tempo

Publicado em 05/08/2017, às 14h30

Victor Mattina imergiu no tempo próprio do cemitério recifense / Sérgio Bernardo/JC Imagem
Victor Mattina imergiu no tempo próprio do cemitério recifense
Sérgio Bernardo/JC Imagem
Márcio Bastos

O cemitério Senhor Bom Jesus da Redenção, mais conhecido como cemitério de Santo Amaro, foi construído em 1851. Desde então, a capital pernambucana sofreu drásticas transformações, às quais o espaço atravessou com outra dinâmica, como se operasse sob um ritmo próprio. Durante residência artística na Fundação Joaquim Nabuco, o artista plástico carioca Victor Mattina se propôs a imergir nessa cadência singular, experiência que resultou na exposição Luzia, que apresenta hoje, às 17h, na Galeria Massangana.

Sem conhecimento prévio do Recife, cidade que conheceu a partir da residência artística, Mattina havia pesquisado sobre o cemitério, mas deixou para desvendá-lo aos poucos. Em visitas, observou a arquitetura da área, prestando atenção nos detalhes mais vistosos, a exemplo das lápides e monumentos, assim como nas miudezas, como objetos deixados no chão.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

“A configuração do cemitério não é muito usual no Brasil. Ele é um quadrado perfeito, com alas bem divididas, a capela no centro, com um planejamento arquitetônico claro. Porém, o mais interessante para mim foi poder tentar entender como ele se encaixava no conceito de Foucault de heterotopia – espaços que vivem uma lógica própria, quase removidas do tempo, como se, ao entrar neles, você se descolasse do entorno”, explica o artista.



O QUE FICOU

No local, tirou cerca de 1700 fotos e, a partir delas, começou, em seu ateliê no Rio de Janeiro, a desenvolver os quadros que compõem a exposição. Ao todo, são sete telas a óleo, em tamanhos distintos, que ele produziu a partir dos negativos das fotografias.

Na entrada da mostra, há ainda um áudio que evoca a ideia de demolição, de terra revirada, mar em dia de ressaca, som que acompanha o visitante no espaço expositivo.

Além das telas, o artista exibe ainda uma obra que reúne objetos encontrados no entorno do cemitério, como pedaços de vasos, porta-retratos, entre outros. Dispostos sobre uma superfície suspensa, elas trabalham uma ideia de arqueologia da memória, do corpo que não está mais lá, dos fragmentos que permanecem.


Serviços

Luzia, de Victor Mattina – abertura dia 5 de agosto, às 16h, na Galeria Massangana (Av. 17 de Agosto, 2187, Casa Forte). Visitação: terça a sexta, das 8h30 às 17h; sábados e domingos, das 13h às 17h, até 3 de setembro. Informações 3073-6260

Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Educação, emprego e futuro Educação, emprego e futuro
Investir em educação é um pressuposto para o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda. Aos poucos, empresas dos mais variados setores entram numa engrenagem antes formada apenas pelo poder público.
Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM