Jornal do Commercio
Polêmica

Exposição suspensa no RS pode reabrir em Belo Horizonte

'Vejo com bons olhos, até por ter tradição de lutar contra qualquer tipo de censura e restrição', afirmou Juca Ferreira, secretário de Cultura de BH e ex-ministro do Governo Dilma

Publicado em 12/09/2017, às 19h40

Exposição Queer Museu no Santander Cultural em Porto Alegre (RS)  / (Foto: Reprodução/Facebook)
Exposição Queer Museu no Santander Cultural em Porto Alegre (RS)
(Foto: Reprodução/Facebook)
Estadão conteúdo

A exposição Queermuseu - Cartografias da diferença na arte brasileira, que causou polêmica após ter sido cancelada em Porto Alegre (RS) no último domingo, 10, por conta de protestos, pode reabrir em Belo Horizonte. O secretário de Cultura de Belo Horizonte, Juca Ferreira, confirmou que foi procurado na manhã desta terça-feira, 12, por um gestor cultural da capital gaúcha próximo ao curador do evento, Gaudêncio Fidelis.

Na conversa, a possibilidade de BH receber a exposição foi levantada. "Vejo com bons olhos, até por ter tradição de lutar contra qualquer tipo de censura e restrição, mas a conversa não avançou", afirmou Ferreira, que foi ministro da Cultura entre 2008 e 2010. Cauteloso, diz ser necessário analisar os custos e a viabilidade de organizar o evento.

A exposição tinha 270 trabalhos de 85 artistas que abordavam a temática LGBT, questões de gênero e de diversidade. Entre os artistas presentes, havia nomes como Alfredo Volpi, Cândido Portinari e Ligia Clark. A mostra foi viabilizada pela captação de R$ 800 mil por meio da Lei Rouanet.



Em nota, o Santander afirmou que cancelou a exposição porque entendeu que algumas obras "desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas". "Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana".

Crítica

Em publicação no Facebook na última segunda, Juca Ferreira escreveu que a interdição de obras de artes e outras formas de expressão baseados na opinião de "grupos moralistas" é inadmissível. Ele argumenta que é preciso repudiar a "escalada reacionária que ameaça a democracia e os direitos humanos".

Segundo o secretário, há uma tentativa de "calar os artistas e amordaçar a arte, pois sabem que é por meio da cultura que as sociedades se defendem contra os ataques externos e contra as tentativas de romper sua soberania".


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM