Jornal do Commercio
A céu aberto

Cow Parade Recife já tem seus artistas selecionados

Comissão selecionou 42 dos 457 trabalhos inscritos para a exposição das vacas pintadas que toma conta da cidade a partir de 26 de outubro

Publicado em 13/09/2017, às 16h55

Vaca do artista convidado Raoni Assis é a primeira pronta para a Cow Parade Recife 2017 / Divulgação
Vaca do artista convidado Raoni Assis é a primeira pronta para a Cow Parade Recife 2017
Divulgação
Bruno Albertim

Os 457 projetos inscritos para a Cow Parade Recife confirmam: a iconicidade histórica e cultural pernambucana é ainda um universo fértil no metabolismo criativo da nova geração de artistas visuais locais. Maior evento de arte pop a céu aberto do mundo, a parada das vacas pintadas teve ontem os projetos avaliados e selecionados na capital pernambucana: elementos como o frevo e o Carnaval, a cultura da cana-de-açúcar e suas implicações históricas, a paisagem urbana do Recife, além das relações contemporâneas, poderão ser vistas durante a exposição - marcada para ocupar as ruas da cidade a partir de 26 de outubro.

“Ficamos muito felizes e surpresos com o resultado, projetos de alta qualidade, além da qualidade estética, com conceitos muito interessantes”, avaliou Catherine Duvignau, diretora da Top Trends, empresa responsável, no Brasil, pela gestão da franquia. “Alguns projetos chamaram atenção assim que nos foram enviados, como o da vaca que faz alusão ao episódio do Boi Voador comandado por Maurício de Nassau durante o período holandês e o de uma vaca cortada ao meio, como um bolo de rolo. São projetos que mostram sintonia com a história e a identidade local, o que dá um significado especial para uma Cow Parade em Pernambuco”, disse ela, numa referência aos projetos concebidos, respectivamente, pelo artista visual Tonfil, codinome de Antônio José de Lima Filho, e do estreante Pedro Bezerra.

Com a maior parte dos projetos de grande apelo visual, não foi tarefa tão simples para a curadoria realizar o peneirão: apenas 42 trabalhos dos 457 inscritos, o que representa menos de 10% do total, poderiam ser aplicados às vacas tridimensionais de fibra de vidro que transformarão a cidade numa espécie de galeria a céu aberto. A comissão de seleção foi formada por Beth da Mata, artista e diretora do Museu de Arte Metropolitana Aloísio Magalhães, Célia Labanca, escritora e diretora do Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, por este repórter e crítico, e  por Rodrigo Pizzinato e Carlos Lacerda, representantes da empresa patrocinadora do evento, a rede paraense Extrafarma.

Embora não divulgue o valor exato do patrocínio, a rede não nega que uma edição de uma Cow Parade custa algo em torno de R$ 1 milhão. A Prefeitura do Recife entra com o apoio logístico.

Sem o rigor conceitual de uma curadoria a serviço de uma grande instituição ou museu, a Cow Parade é festejada justamente pelo frescor pop. As obras selecionadas procuram atender a uma diversidade de critérios: desde o apelo visual mais inegável ao conceito, humor e capacidade de comunicação com a cidade e seu público envolvidos. Depois de expostas na cidade durante um mês, as obras passarão cerca de dez dias reunidas num pátio do Shopping Recife até serem colocadas em leilão com renda revertida para uma instituição beneficente. Cópias em miniaturas serão colocadas à venda no site oficial da parada.

Dentre a lista de selecionados, alguns trabalhos chamaram logo a atenção quase unânime da comissão. Entre elas, uma vaca que traz um painel narrativo com figuras típicas dos folhetos de cordel assinado por Caju Galon, e uma vaca-unicórnio alado da já conhecida Gio Simões. Tridimensional além do previsto, com recortes e novos volumes, a vaca pensada pelo escultor Demétrio Albuquerque também impressiona pela narrativa multifacetada com vários aspectos da urbanidade do Recife. Veterano, Demétrio é um dos artistas responsáveis por parte da identidade urbana e visual da cidade. É dele a autoria das esculturas de poetas espalhadas pelo centro. Com referência a outras infâncias, a arquiteta Naíade Lins concebeu uma vaca brincando com bambolês.



CONSAGRADOS

A história da mostra começa na Suíça - país que tem na vaca um de seus símbolos. Era o ano de 1999 e produtores locais resolveram criar uma exposição de arte a céu aberto na qual, em vez de telas, artistas usariam vacas como suporte para suas criações. Vacas de fibra de vidro. Como é comum no universo pop, a ideia simplesmente viralizou. Uma das maiores, se não a maior, atualmente, mostra pública de arte do mundo, a chamada Cow Parade já percorreu mais de 50 cidades. Com exceção da Antárdida, percorreu todos os continentes.

A partir da semana que vem, os artistas selecionados serão recrutados para assinar os contratos e começar a executar seus projetos, num galpão especialmente locado em Jaboatão. No dia 26 de outubro, todas as vacas serão expostas, reunidas, numa vernissage festiva num dos armazéns do Recife Antigo. “De lá, ainda de madrugada, as vacas serão deslocadas para diversos pontos do Recife”, adianta Catherine.

Além dos inscritos e selecionados, a mostra contará também com uma série de artistas consagrados especialmente convidados. Entre eles, Roberto Ploeg, João Câmara, Derlon e Tereza Costa Rêgo. “Penso em fazer uma vaca tatu”, diz ela, sobre o animal que é elemento recorrente em sua poética. Personalidades da cidade como a dupla de arquitetos Zezinho e Turíbio Santos, o cantor Alceu Valença e a atriz Fabiana Karla também são convidados e pensar em projetos para serem executados. Da nova geração e já de uma obra relativamente popular na cidade, Raoni Assis é outro dos convidados. Durante o lançamento da exposição, há duas semanas, ele pintou sua vaca ao vivo.

Confira a lista completa dos artistas selecionados:

Alessandra Camila de Queiroz Cavalcanti Saraiva
Analúcia Vasconcelos de Melo
Antônio José de Lima Filho (Tonfil)
Antônio Paes
Ayodê França
Bruno Santiago de Menezes Lyra
Carlos André Pereira da Silva
Carlos Eduardo Galon da Silva (Caju Galon)
Charles Douglas Martins
Daniel Dobbin
David Nascimento (Munster)
Demetrio Albuquerque Silva Filho
Francisco Tadeu Fernandes Jordão
Giovanna Vieira da Cunha Simões
Glauber Monteiro (Arbos)
James Williams Moreira de Melo (Toliga)
Jefferson Batista de Andrade
Jeims Duarte dos Santos
Jeisom Ricardo Nascimento
Jones Nideck
Jorge Antonio Farias (Di Farias)
José Maria Barbosa de Melo (Zed Melo)
Kellen Linck
Laerte Batista Silvino
Louane Letíce Martins de Souza
Lucas de França Leandro
Lucas Faustino
Luciene Torres de Carvalho Nunes
Luiz Rangel
Maria de Queiroga Cavalcanti
Maria Luiza de Carvalho Nunes (Mariquinha)
Marinaldo Miranda da S. Junior
Náiade Lins
Pedro Henrique Bezerra Fontes Salvador
Rafael Barbosa
Rafael Saraiva
Rayanne Ferreira Alves Barbosa de Loima
Ricardo Leite de Melo (Rilei)
Sandra Valéria Carpina
Silvana Karla Nascimento
Thiago Emmanuel (Thiago Teas)
William Gomes


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

O Mundo de Rafa O Mundo de Rafa
Rafael foi diagnosticado com síndrome de Asperger apenas aos 11 anos. Seus desenhos contam pedaços muito importantes da sua história. Exprimem momentos de alegria, de comemoração e também de desabafo, de dor
Gastos dos parlamentares pernambucanos Gastos dos parlamentares pernambucanos
Os deputados federais da bancada pernambucana gastaram, no 1º semestre deste ano, R$ 5,1 milhões em verbas de cotas parlamentares. Já os senadores gastaram R$ 692 mil. Os dados foram coletados com base no portal da transparência da Câmara e do Senado
Um metrô ainda renegado Um metrô ainda renegado
São 32 anos de operação e uma eterna luta por sobrevivência. Esse é o metrô do Recife

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM