Jornal do Commercio
Sexismo

Vocalista do Raça Negra é repreendido por comentário machista

Durante o programa de Fátima Bernardes, Luiz Carlos insinuou que meninas podem provocar agressores

Publicado em 14/09/2017, às 13h25

Luiz Carlos: comentário machista / Divulgação
Luiz Carlos: comentário machista
Divulgação
JC Online

Pegou mal a participação do vocalista Luiz Carlos, do grupo Raça Negra, na edição desta quinta do programa Encontro com Fátima Bernardes. O assunto era violência sexual sobre crianças quando ele resolveu opinar sobre o assunto. Insinuando que algumas meninas podem provocar o comportamento agressivo, ele disse que "algumas meninas se comportam como mulher, e que seria interessante evitar o uso de certas roupas e maquiagem".



CORTE

O cantor levou, na hora, um corte da apresentadora. Fátima disse que é preciso lembrar que a culpa é sempre do assediador, nunca da vítima. O artista foi duramente criticada nas redes sociais. “Me desculpe, mas Luiz Carlos precisa rever seus conceitos. A culpa é da menina? Porque é isso que ele quis dizer”, disse uma telespectadora, no Twitter.


Palavras-chave

Recomendados para você


Comentários

Por Clovis Correia Neto,14/09/2017

Se à uma mulher for feita a seguinte pergunta: 1. De quem é a culpa pelo estupro? No passado as pessoas inteligentes diriam: Não há culpa se não de quem comete o ato. Hoje ficam arranjando argumentos fodidos! Atualmente, esse pessoal bobo que fala muito em Feminismo e em Machismo, como uma coisa a ser combatida, essas meninas vão ficando chatas, e os caras cansativos igualmente com essa conversa fina, educada e sincera, onde se quer alguém tem direito de opinar o contrário. O fato é que essas mulheres feministas, muitas delas vivem às custas de homens, e igualmente homens vivem tão dominados psicologicamente e financeiramente de mulheres, que naturalmente quem tem telhado de vidro não fica falando sobre feminismo ou machismo de ninguém, é aí onde eu paro o papo e volto pro meu conceito final: Não vale a pena discutir essa merda!

Por Cesar,14/09/2017

Certíssimo, o problema é que aqui no Brasil e especialmente na Globo, só tem gente para tirar onda, onde eles mesmos dão os piores exemplos de comportamento, educação,sexualidade, e por aí vai..........



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM