Jornal do Commercio
Tendência

Primeiro bar especializado em gim abriu há um mês no Pina

O Em Cima oferece uma carta de coquetéis à base do destilado e comidinhas que combinam com ele

Publicado em 13/07/2017, às 14h33

Isa Lopes, Mauro Melo e Jadiel Soares são os bartenders / Felipe Ribeiro/JC Imagem
Isa Lopes, Mauro Melo e Jadiel Soares são os bartenders
Felipe Ribeiro/JC Imagem
Flávia de Gusmão

Inaugurado há exatamente um mês, o Em Cima – Bar de Gin é uma alegria, um playground para os apreciadores desta bebida ainda pouco explorada pelos brasileiros, em geral, e particularmente pelos pernambucanos. A “febre do gim” – a grafia mais aceita em português é com “m” – chegou há uns quatro anos em São Paulo, resultando em bares inteiramente dedicados ao seu desfrute. Na capital pernambucana, o primeiro deles ocupa o piso superior da casa que, embaixo, abriga o restaurante Mingus.

Apenas um lance de escada os separa, mas é notória a proposital diferenciação que os proprietários, de ambos os negócios, quiseram dar ao ambiente: um é classicamente chique o outro é divertidamente elegante.

No Em Cima, a música ambiente flui pop e quase dançante – se não dançamos por fora, dançamos por dentro –, o menu é resumido, voltado para a vontade de beliscar, e perfeito. No plano principal, um magnífico balcão, tendo por trás uma cintilante coleção de garrafas, copos e apetrechos, é o quartel-general de três bartenders – Mauro Melo, Isa Lopes e Jadiel Soares – que estão ali para dar conta da demanda crescente por coquetéis – uma tendência que parece estar em ascensão na cidade. Para os dias não-chuvosos, um delicioso terraço vai fazer a alegria do que priorizam ambientes externos.



VEDETE AROMÁTICA

Sim, a bebida destilada de cereais, que recebe infusão de zimbro e especiarias, é a vedete, mas não é a única a integrar a carta. Uísque, vodca e até cerveja estão disponíveis (inclusive como base de coquetéis), mas seria pecado não experimentar nem umazinha sequer das misturas elaboradas pelo mixologista João Morandi, da Pernod Ricard, nome por trás da marca Beefeater.
“Foram muitas horas de pesquisa para contemplar tanto as receitas novas quanto as clássicas, especialmente essas últimas, porque eu sei como o apreciador de gim é exigente em relação ao correto ritual, e perfeccionista no que diz respeito aos ingredientes corretos”, afirma Morandi.

Para começar, Morandi sugere explorar as variações do gim tônica, a mais tradicional das combinações, mas que pode ser enriquecida com pequenas liberdades, desde que o equilíbrio seja mantido. Um bom exemplo é o London Fog, no qual o G&T recebe a adição de fatias de maçã com notas de limão siciliano e canela em casca (R$ 19,90). Com um líquido a mais – no caso, o vermute rosso – O Little Italy leva o sabor fresco de horta e pomar à boca: tomate-cereja, uma e manjericão são complementos (R$ 24,90).

Não há como não atribuir e aplaudir a autoralidade do menu: Hugo Prouvot fez a consultoria e implantação, mas é o jovem chef Wilder Souza quem está na linha de frente, e com louvor. Seu atum selado é irretocável; os arancini (bolinhas de arroz recheadas com queijo) derretem na boca); os mini-hambúrgueres recebem uma sedosa cebola caramelada que casa bem com o queijo d0 reino; o steak tartar tem acidez perfeita para contrastar com o toque herbáceo do gim (opções de pratos vão de R$ 18 a R$ 59).
“Estamos muito felizes com a opção por um bar de gin. Ainda em soft opening e abertos a sugestões. É um universo vasto a descobrir”, afirma Emerson Pires, um dos sócios.

Em Cima – Rua do Atlântico, 102, Pina, fone: 3132-6040. A partir das 18h, fecha domingo e segunda


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM