Jornal do Commercio
CINE PE

Altos e baixos na abertura do 18º Cine PE: Festival do Audiovisual

O grande Hotel Budapeste agradou, mas os curtas pernambucanos decepcionaram

Publicado em 27/04/2014, às 02h56

Brenda Lígia apresenta o curata Rabutaia, na primeira noite do Cine PE / Felipe Ribeiro/JC Imagem

Brenda Lígia apresenta o curata Rabutaia, na primeira noite do Cine PE

Felipe Ribeiro/JC Imagem

Ernesto Barros

A abertura do 18º Cine PE: Festival do Audiovisual, na noite deste sábado (16/04) correspondeu às expectativas, pelo menos em relação ao público. Apesar de não haver lotado todas suas poltronas do Teatro Guararapes, no Centro de Convenções, o afluxo de espectadores foi bastante bom.  A principal atração foi o pré-lançamento do longa-metragem O grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson. 

Vencedor do Grande Prêmio do Júri do Festival de Berlim, realizado em fevereiro deste ano, o filme foi selecionado para iniciar a nova fase do festival pernambucano, que abriu suas mostras competitivas para filmes estrangeiros.  No entanto, O grande Hotel Budapeste foi exibido hors concours, ou seja, não concorre a prêmios.

A escolha, claro, foi muito boa. O filme é um delicia e o público curtiu com prazer a história que Wes Anderson adaptou de várias obras do escritor austríaco Stefan Zweig (ele se matou em Petrópolis, em 1942, após alguns anos de exílio no Brasil).

O filme é uma fábula sobre a sobrevivência de uma certa cultura europeia, desaparecida após os conflitos bélicos da primeira metade do século 20. A partir da história de um gerente de hotel, o rocambolesco Monsieur Gustave (Ralph Fiennes, excelente), Wes Anderson nos leva para uma época de muita vivacidade, onde saber de cor um poema era uma obrigação.

A trama do filme é cheia de circunlóquios, mas se concentra nas memórias de Zero Moustafa (F. Murray Abraham) e o período de sua adolescência como garoto de recados do Hotel Budapeste, sob o comando de Gustave. Mulherengo e aproveitador de senhoras idosas, o concierge se mete na maior confusão para reaver uma herança tendo ao seu lado o garoto Zero (Tony Revolori). Para diferenciar as duas épocas, Anderson rodou a parte histórica no formato 1.33, como os filmes hollywoodianos do passado. A parte do presente é normal, filmado com a tela grande.

Para interpretar os inúmeros personagens que cruzam o caminho de Ralph Fiennes e Tony Revolori, Wes Anderson recrutou um timaço formado por atores como Harvey Keitel, Tilda Swindon, Adrien Brody, Willem Dafoe, Jeff Goldblum, Mathieu Amalric, Jude Law e muitos outros. O grande hotel Budapeste só estreia nos cinemas no dia 26 de junho.

CURTAS

Já quanto aos curtas-metragens, principalmente da Mostra Pernambuco, a decepção foi grande. Os curtas Tesouro do Araripe: Os fósseis e a comunidade, de Tito Aureliano; Pontas de pedros e pedras, de Hermano Figueiredo, e Severo, de Danilo Baracho, se mostraram trabalhos amadores, realizados para serem exibidos nas comunidades onde foram feitos e olhe lá. Apenas dois filmes se salvaram. Rabutaia, de Brenda Lígia, se sobressaiu pelo interessante personagem que conduz o filme. E Au revoir, de Milena Times, já premiado em outros festivais, não causou mais surpresa, apesar de ser ótimo filme.

 

Para acabar de vez com a reputação do cinema pernambucano, a curadoria do Cine PE escolheu o inexistente No tiro do bacamarte... Explode a cultura pernambucana, de Xisto Ramos, para representar o Estado na Mostra Curta Brasil, em que o filme concorre com representantes de outros estados.  Quem viu os filmes pernambucanos exibidos na noite deste sábado deve achar que a produção local está entregue nas mãos de cineastas amadores. Lamentável.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM