Jornal do Commercio
CINE PE

Altos e baixos na abertura do 18º Cine PE: Festival do Audiovisual

O grande Hotel Budapeste agradou, mas os curtas pernambucanos decepcionaram

Publicado em 27/04/2014, às 02h56

Brenda Lígia apresenta o curata Rabutaia, na primeira noite do Cine PE / Felipe Ribeiro/JC Imagem

Brenda Lígia apresenta o curata Rabutaia, na primeira noite do Cine PE

Felipe Ribeiro/JC Imagem

Ernesto Barros

A abertura do 18º Cine PE: Festival do Audiovisual, na noite deste sábado (16/04) correspondeu às expectativas, pelo menos em relação ao público. Apesar de não haver lotado todas suas poltronas do Teatro Guararapes, no Centro de Convenções, o afluxo de espectadores foi bastante bom.  A principal atração foi o pré-lançamento do longa-metragem O grande Hotel Budapeste, de Wes Anderson. 

Vencedor do Grande Prêmio do Júri do Festival de Berlim, realizado em fevereiro deste ano, o filme foi selecionado para iniciar a nova fase do festival pernambucano, que abriu suas mostras competitivas para filmes estrangeiros.  No entanto, O grande Hotel Budapeste foi exibido hors concours, ou seja, não concorre a prêmios.

A escolha, claro, foi muito boa. O filme é um delicia e o público curtiu com prazer a história que Wes Anderson adaptou de várias obras do escritor austríaco Stefan Zweig (ele se matou em Petrópolis, em 1942, após alguns anos de exílio no Brasil).

O filme é uma fábula sobre a sobrevivência de uma certa cultura europeia, desaparecida após os conflitos bélicos da primeira metade do século 20. A partir da história de um gerente de hotel, o rocambolesco Monsieur Gustave (Ralph Fiennes, excelente), Wes Anderson nos leva para uma época de muita vivacidade, onde saber de cor um poema era uma obrigação.

A trama do filme é cheia de circunlóquios, mas se concentra nas memórias de Zero Moustafa (F. Murray Abraham) e o período de sua adolescência como garoto de recados do Hotel Budapeste, sob o comando de Gustave. Mulherengo e aproveitador de senhoras idosas, o concierge se mete na maior confusão para reaver uma herança tendo ao seu lado o garoto Zero (Tony Revolori). Para diferenciar as duas épocas, Anderson rodou a parte histórica no formato 1.33, como os filmes hollywoodianos do passado. A parte do presente é normal, filmado com a tela grande.

Para interpretar os inúmeros personagens que cruzam o caminho de Ralph Fiennes e Tony Revolori, Wes Anderson recrutou um timaço formado por atores como Harvey Keitel, Tilda Swindon, Adrien Brody, Willem Dafoe, Jeff Goldblum, Mathieu Amalric, Jude Law e muitos outros. O grande hotel Budapeste só estreia nos cinemas no dia 26 de junho.

CURTAS

Já quanto aos curtas-metragens, principalmente da Mostra Pernambuco, a decepção foi grande. Os curtas Tesouro do Araripe: Os fósseis e a comunidade, de Tito Aureliano; Pontas de pedros e pedras, de Hermano Figueiredo, e Severo, de Danilo Baracho, se mostraram trabalhos amadores, realizados para serem exibidos nas comunidades onde foram feitos e olhe lá. Apenas dois filmes se salvaram. Rabutaia, de Brenda Lígia, se sobressaiu pelo interessante personagem que conduz o filme. E Au revoir, de Milena Times, já premiado em outros festivais, não causou mais surpresa, apesar de ser ótimo filme.

 

Para acabar de vez com a reputação do cinema pernambucano, a curadoria do Cine PE escolheu o inexistente No tiro do bacamarte... Explode a cultura pernambucana, de Xisto Ramos, para representar o Estado na Mostra Curta Brasil, em que o filme concorre com representantes de outros estados.  Quem viu os filmes pernambucanos exibidos na noite deste sábado deve achar que a produção local está entregue nas mãos de cineastas amadores. Lamentável.




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM