Jornal do Commercio
Cannes

De Niro gostaria de ser presidente do júri de Cannes de novo

O ator americano Robert de Niro, que já foi presidente do júri do Festival de Cannes em 2011, disse na quarta-feira à noite que gostaria de desempenhar essa função outra vez

Publicado em 20/04/2017, às 16h30

Robert de Niro / Divulgação
Robert de Niro
Divulgação
AFP

O ator americano Robert de Niro, que já foi presidente do júri do Festival de Cannes em 2011, disse na quarta-feira à noite que gostaria de desempenhar essa função outra vez.

Cannes

"Ser presidente do júri foi muito divertido, espero que eles me peçam para fazer isso de novo, mas eu não sei quantos anos você tem que esperar", afirmou rindo durante uma breve entrevista à AFP na abertura do festival de cinema de Tribeca, em Nova York.

Sem contar os primeiros anos do festival, só a atriz Jeanne Moreau presidiu o júri em duas ocasiões, em 1975 e 1995.

De Niro, de 73 anos, ganhador de vários prêmios internacionais, incluindo o Oscar de melhor ator por "Touro Indomável" (1980), não estará presente na 70ª edição de Cannes, no mês que vem, porque estará participando das gravações de uma comédia de Tim Hill, "The War with GranPa".

"Lamento não poder ir a Cannes este ano, porque eu estou fazendo um filme que atrasou. (...) As filmagens vão começar em cerca de uma semana e meia nos Estados Unidos", acrescentou.



Além disso, De Niro e Martin Scorsese se reencontrarão, depois de 22 anos, no filme de gângsters "The Irishman", que começará a ser gravado em "meados do verão" boreal, disse o ator nova-iorquino.

Este filme, cujo elenco também contará com outra lenda do cinema, Al Pacino, poderia ser rebatizado "I Heard You Paint Houses", título original do livro de Charles Brandt em que é baseado, de acordo com De Niro.

De Niro é um dos atores americanos muito críticos ao presidente Donald Trump. No ano passado, chegou a dizer que gostaria de lhe dar um soco. E na véspera da cerimônia de posse, zombou dos tuítes do magnata diante de milhares de manifestantes.

"Continuo pensando a mesma coisa, eu acho que é terrível", disse na quarta-feira, em referência a Trump.

"Não que ele não possa fazer coisas boas, há algumas pessoas em sua equipe que são boas, como (o secretário de Defesa, Jim) Mattis e a embaixadora dos Estados Unidos na ONU", Nikki Haley, acrescentou.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM