Jornal do Commercio
CINEMA

A salada político-filosófica de O Jardim das Aflições

Documentário sobre o pensamento de Olavo de Carvalho, realizado por Josias Teófilo entra em cartaz nesta quinta-feira (29/6) no Recife

Publicado em 29/06/2017, às 05h14

Josias Teófilo e o casal Roxane e Olavo de Carvalho / Matheus Bazzo/Divulgação
Josias Teófilo e o casal Roxane e Olavo de Carvalho
Matheus Bazzo/Divulgação
Ernesto Barros

Não resta dúvida de que Olavo de Carvalho se encaixa, com propriedade, naquela categoria de “meu tipo inesquecível”, um personagem self made man que criou uma mística em torno do que diz, com um toque de pedantismo. A mansão onde mora com a família, a biblioteca imponente, o visível hedonismo do modo de viver e a liberdade que tem para fumar em todos os lugares, exercem um fascínio considerável. Nos momentos mais íntimos do filme – infelizmente não são muitos –, Olavo nem de longe é um tipo que cause medo, mesmo que apareça portando um rifle de caçador de ursos.

No entanto, esta dimensão humana do velho professor de filosofia para leigos está ausente de O Jardim das Aflições. Talvez ele tenha imposto a Josias algum tipo de distância, pelo menos para preservar a natureza do filme que queriam fazer, mais em torno das ideias desenvolvidas no ensaio O Jardim das Aflições, publicado em 1995, do que em expor sua vida particular.

Ao seguir o fluxo do pensamento de Olavo a partir do livro, Josias realmente estrutura a narrativa do filme em torno do conteúdo da obra, mas sem fidelidade canina aos ensaios originais. Trata-se, mesmo, de uma releitura do livro, com temas presentes ali e outros que foram introduzidos durante o processo de gravações. Dividido em três blocos, é percebível o afã didático que Josias aplica ao pensamento de Olavo de Carvalho, a partir da filosofia grega (Epicuro, Aristóteles) e de dezenas de outros autores, com predileção para o espanhol Ortega y Gasset.



APURO VISUAL

Cansativa e de difícil apreensão – a não ser que você mantenha caneta e lápis a mão para tentar apreender o discurso do filósofo –, as sucessivas aulas de Olavo não parecem coisa de cinema. Mas Josias, muito espertamente, aqui e ali pega um atalho e ilustra o pensamento de Olavo com imagens bonitas (a fotografia de Daniel Aragão garante um certo apuro visual) e sequências tiradas de filmes clássicos.

É só Olavo dá uma respirada dos grandes temas que Josias tasca trechos de Ivan, O Terrível (Sergei Eisenstein), No Tempo da Diligências (John Ford) e Limite (Mário Pedrosa). Noutro momento mais relax, o filósofo assiste Aurora, de F.W. Murnau. Mas esses momentos, apesar de visualmente interessante, não passam de pausas para o filme respirar em meio aos seus longos trechos expositivos, em que Olavo discorre por temas caros ao seu ideário, como o poder do estado que interfere na vida pessoal do cidadão, a imortalidade da alma, o discernimento sobre o que está por trás das ideias que consideramos como pessoais e uma infinidade de outras considerações.

Os melhores momentos do filme, sem dúvida, são os trechos em que Olavo conversa com a mulher, quando ele diz que atrai muitos loucos. Cenas como essas aproximam-no de um homem, se não simples, pelo menos mais próximo do comum dos mortais. Mas o filme toma um atalho político quando Josias insere uma diatribe ideológica, que difere totalmente do corpo do filme. Olavo resolve analisar a ação do Partido dos Trabalhados, ou dos movimentos de esquerda em geral, que teriam aparelhado a cultura e os meios de comunicação. Para completar a ideia, Josias, perniciosamente, inclui cenas do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, que se tornam totalmente desnecessárias dentro da ideia geral do filme.


Recomendados para você


Comentários

Por Manoel,29/06/2017

Colocar no final que o professor fala sobre o aparelhamento dos meios de comunicação, é algo até desnecessário, essa matéria mostra isso na pratica. Começando por dizer que o filme entrará em cartaz na quinta-feira(29/06), tendo o filme sido exibido na quarta feira(28/06), e não fazem a menção honrosa que merecia por ter enchido a sala do CinePE mostra quem tem a alma capciosa e tendenciosa. Aos que dizem que o filme foi enfadonho e complexo, mostra novamente como a cultura é baixa e enlatada, falar da filosofia clássica de uma forma metalinguística deveria ser ovacionado, não só pela sua capacidade de abstração, sobretudo por conseguir enquadrar isso na sétima arte, que era uma proposta normal em épocas que o homem sabia a origem do seu pensamento.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Prêmio ISS Recife Prêmio ISS Recife
Principal item da receita própria dos municípios, o Imposto Sobre Serviços (ISS) entra no cofre das prefeituras tanto para custear despesas quanto para viabilizar investimentos nas cidades.
#ConexãoPelaVida #ConexãoPelaVida
Há quase dois séculos, o Real Hospital Português mantém a sua atenção voltada para o bem-estar dos pacientes. Conheça um pouco mais sobre a instituição médica que aos 162 não para de se modernizar
Agreste Empreendedor Agreste Empreendedor
O Agreste pernambucano é a região que mais cresce em Pernambuco. E, por incrível que pareça, a força motriz que puxou esse desenvolvimento foi o empreendedorismo.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM