Jornal do Commercio
CINEMA

A Luta do Século chega aos cinemas

Documentário conta a história da rivalidade entre o boxeador pernambucano Todo duro e o boxeador baiano Reginaldo Holyfield

Publicado em 14/03/2018, às 07h18

Reginaldo Holyfield e Luciano Todo Duro no ringue / Vitrine Filmes/Divulgação
Reginaldo Holyfield e Luciano Todo Duro no ringue
Vitrine Filmes/Divulgação
Ernesto Barros

Há 25 que anos os boxeadores Luciano “Todo Duro” Torres e Reginaldo “Holyfield” Andrade mantêm uma rivalidade em cima do ringue e fora dele. Até mais do que as lutas – sete ao todo, com a última realizada em 2015 – o público alimenta o desejo de vê-los entrarem no tapa, quase sempre que uma câmera de TV é ligada.

Esse clima de pega-pra-capá rondou o hall do Kinoplex Boa Vista, na tarde desta terça-feira (13/3), com Todo Duro e Holyfield andando para lá e para cá, tirando selfies com fãs e dando entrevistas sobre o documentário A Luta do Século, que teve uma pré-estreia à noite. O filme entra em cartaz nesta quinta-feira (15/3) no Cinema da Fundação/Museu, Kinoplex Boa Vista e Cinépolis Guararapes, entre outros.

“Eu pensei em fazer um filme de ficção, mas me empolguei com o documentário e esqueci de fazer o longa sobre eles. Eu queria retratar o Brasil a partir de Holyfield e de Todo Duro. Queria tentar entender como dois caras com tanto talento, que saíram da miséria, conquistaram tanto – foram campeões sul-americanos e mundiais – e o que fez eles voltarem para o lugar de onde vieram. Saíram da pobreza extrema, alcançaram o teto da glória e voltaram. E os dois têm em comum o fato de serem negros, nordestinos, analfabetos, terem tido uma infância dura e violenta. Eu queria entender um pouco esse mecanismo”, explica o cineasta baiano Sergio Machado, diretor de A Luta do Século.

Como sempre popular, bem-vestido e jogando charme para as mulheres, Todo Duro estava falante e não se cansava de tirar onda com o adversário. “É uma guerra entre a Bahia e Pernambucano. Eu perdi três e dei nele quatro vezes. Ele está com Mal de Parkinson porque fui eu que deixei ele assim. E para acabar de lascar, peguei a mulher dele. Eu tenho medo dele nada, ele está é morto”.

Sorridente e esbanjando carisma, Holyfield procurava ficar distante do inimigo figadal, atendendo às dezenas de fãs que chegavam para selfies ao seu lado. Ao contrário de Todo Tudo, ele têm consciência do significado da rivalidade que construíram ao longo dos anos. “Você sabe que nós não nos damos bem. Eu sou um atleta sério, ele é meio brincalhão. Como não gosto de brincadeiras, nossos encontros sempre terminam em porrada. Independente de eu não gostar dele e ele não gostar de mim, o bom é esse filme A Luta do Século. Sergio Machado estudou a história pernambucana e a história baiana, viu as lutas, as briguinhas, a resenha toda. Garanto que esse é um filme que todo mundo precisa ver, porque é de primeira”.

Terceiro documentário de Sergio Machado, A Luta do Século ganhou o Prêmio de Melhor Documentário do Festival do Rio, em 2016. De acordo com Sérgio, o filme teve uma produção acidentada, como a luta que dá título ao filme. “Durante as filmagens, Holyfield foi visitar Raimundão Ravengar, um traficante baiano, e o cara disse: ‘Pô, vocês estão com tanta dificuldade, por que não voltam a lutar?’ Aí, surgiu essa luta. Assustei-me, de início, com a ideia . Eu tinha medo de eles se machucarem e ficar ruim para o documentário. Mas, já que iria haver essa luta, fui acompanhá-los”, resumiu o cineasta.



CRÍTICA

Toda história de ascensão e queda tem um gosto de tragédia. No caso de Todo Duro e Holyfield, trata-se de uma dupla tragédia. Nesse microcosmo da vida dos dois boxeadores, que vieram da pobreza e se viram alçados ao panteão da fama, o que vemos é uma pequena história do Brasil contemporâneo.

Afinal, são 25 anos de história, altos, baixos e retorno de dois homens que forjaram uma dupla vida sem paralelo. O amor e o ódio sempre andam de mãos dadas, dizem as trajetórias de Todo Duro e Holyfield.

Os dois tempos do documentário – a compilação da seis primeiras lutas com um bom arquivo de imagens, seguido da preparação para “a luta do século” – dão ao filme um sabor agridoce, num misto de humor e tristeza que parece a sina dos heróis populares – eles arranham a glória, mas a riqueza passa longe deles.

Certamente que os espectadores pernambucanos e baianos devem ver o filme com mais interesse, mas os detalhes particulares de cada um dos boxeadores demonstram universalidade. Quando Sergio Machado acompanha Todo Duro e Holyfield mais de perto, longe do mundo do boxe, A Luta do Século assemelha-se à luta de cada brasileiro pela sobrevivência.

Essa porção Macunaíma de um certo tipo brasileiro está mais presente na gaiatice de Todo Duro, enquanto que Holyfield camufla-se com o manto da seriedade para não chamar a atenção. Queiram ou não queiram os senhores, eles são mais do que sobreviventes, são verdadeiros campeões. A luta continua.


Recomendados para você


Comentários

Por valmir moura da silva,14/03/2018

não tenho cartão pode inviar boleto



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM