Jornal do Commercio
Sala Lotada

Documentário sobre impeachment de Dilma Rousseff lota sala em estreia

'O Processo', documentário falando sobre o impeachment de Dilma Rousseff, foi bem recebido no Festival de Berlim, fazendo agora sua estreia nacional

Publicado em 16/04/2018, às 10h16

Dilma Rousseff é protagonista de documentário / Foto: Agência Brasil/Reprodução
Dilma Rousseff é protagonista de documentário
Foto: Agência Brasil/Reprodução
JC Online

A programação do festival É Tudo Verdade, realizado em São Paulo, contou com a estreia brasileira do documentário O Processo, abordando o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em duas sessões realizadas no Insituto Moreira Salles. Ambas as sessões lotaram, gerando filas e alta procura.

Para dar conta da demanda, foi aberta uma terceira sessão às 23h, que também teve ingressos esgotados. O Processo teve sua estreia internacional no último festival de Berlim, conquistando o terceiro lugar na escolha do público na seção Panaroma. A obra foca nos seis meses que ligam a aceitação da denúncia contra Dilma até a confirmação de seu afastamento. O lançamento comercial está previsto para 17 de maio.

Sobre o filme

O documentário dirigido por Maria Augusta mostra como a equipe que defendeu Dilma, acusada de maquiar as contas públicas, preparou sua estratégia e lutou até o final, apesar de estar cada vez mais consciente de que a destituição, apoiada pela oposição, seria inevitável.

Sem voz em "off" nem entrevistas, o documentário de mais de duas horas de duração mostra, além disso, as conversas de corredor, os encontros de dirigentes políticos, assim como os momentos de tensão nos bastidores e nas ruas, sintoma do clima de polarização que tomou conta dos brasileiros.

Artífices da defesa ante à comissão especial que conduziu o processo de 'impeachment', o advogado José Eduardo Cardozo e a senadora Gleisi Hoffmann - atual presidente do PT - se transformam assim em protagonistas de um documentário em que Dilma é onipresente, mesmo que seja apenas mostrada falando à imprensa ou fazendo pronunciamentos.



"Faço filmes para entender a realidade" e "o que estava acontecendo no Brasil me preocupava muito", afirmou Maria Augusta à AFP. 

Ela é autora de uma trilogia sobre o sistema judicial de seu país e vencedora de vários prêmios no exterior.

Maria Augusta explica que a defesa de Dilma concedeu um amplo acesso ao processo. "Conheciam meu trabalho e confiavam em mim. Houve poucas exceções por parte de alguns senadores que optaram por deixar uma reunião quando eu entrava com a câmera", explica a cineasta, enfatizando que a oposição preferia não se deixar filmar.

Ela assegura, no entanto, que a todo momento pôde trabalhar com independência total. 

Seu filme não pretende "mudar a opinião de ninguém", segundo ela. 

"Não sou uma ativista, caso contrário faria filmes mais fáceis", afirma, definindo sua obra como essencialmente um documento histórico.

Repercutindo o mal-estar expressado no ano passado por seus colegas na Berlinale, Maria Augusta concorda que a situação política, econômica e cultural piorou desde a posse de Temer, que pôs fim a mais de 13 anos de governo de esquerda.

"A direita e a extrema-direita ganharam muita força, propagando suas ideias (conservadoras) na sociedade", lamenta, dando como exemplo a proibição de uma exposição de arte por seu conteúdo sexual, o que causou um grande debate.


Recomendados para você


Comentários

Por rinaldo,17/04/2018

Uma das melhores presidentes que o Brasil poderia ter. Seria melhor que LULA, mas a mídia e os partidos golpistas não deixaram.



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM