Jornal do Commercio
Cannes

Documentário exibido em Cannes revela a vida trágica de Whitney Houston

O filme revela, com depoimentos, que a artista pop teria sido agredida sexualmente durante a infância por sua prima, a cantora de soul Dee Dee Warwick

Publicado em 17/05/2018, às 11h38

A cantora americana Whitney Houston durante show em Paris, em 1988 / Foto: AFP
A cantora americana Whitney Houston durante show em Paris, em 1988
Foto: AFP
AFP

Um documentário emotivo, exibido nesta quinta-feira (17) fora de competição no Festival de Cannes, sobre a vida da cantora pop Whitney Houston revela, com depoimentos, que ela teria sido agredida sexualmente durante a infância por sua prima, a cantora de soul Dee Dee Warwick.

"O núcleo do filme (...) é uma história de família. É uma história sobre como sua educação e sua família afetam tudo que você é", declarou à AFP o diretor britânico Kevin Macdonald, que narra em Whitney o destino amargo da artista americana, que tinha uma das vozes mais marcantes de sua geração.

Houston, com uma trajetória brilhante afetada por problemas com as drogas, foi encontrada morta em fevereiro de 2012, aos 48 anos, na banheira de um quarto de hotel de Los Angeles.

Autorizado pela família, o documentário mostra várias imagens de arquivo, em sua maioria inéditas, sobretudo gravações e fotos de família, e depoimentos de pessoas próximas, incluindo os irmãos, a mãe, o ex-marido Bobby Brown e alguns colaboradores.



Na busca por explicações para os problemas da cantora, o documentário inclui três depoimentos de pessoas próximas que afirmam que Whitney Houston teria sido agredida sexualmente por sua prima, a cantora Dee Dee Warwick, falecida em 2008, irmã da cantora Dionne Warwick e sobrinha da mãe de Whitney, Cissy Houston, também cantora.

Segredo de família

Este segredo de família é abordado por seu meio-irmão Gary Garland-Houston - que também afirma ter sido agredido sexualmente -, por sua cunhada Pat Houston e por sua assistente pessoal Mary Jones.

"Durante muito tempo, assistindo pela TV, algo me dizia 'há alguma coisa nesta mulher que parece refletir um mal-estar. De certa maneira, parece não gostar de seu corpo'", disse Kevin Macdonald, vencedor do Oscar de melhor documentário em 2000 por Um Dia em Setembro, sobre o sequestro de atletas israelenses nos Jogos Olímpicos de Munique-1972.

"Sempre me perguntei 'Quem é? De onde vem?'. Comecei a questionar se alguém teria abusado dela, ou algo parecido. Depois alguém me disse que falou sobre isto com Whitney e que ela disse que era o que havia acontecido e era a origem de sua tristeza. No final, o irmão falou sobre isto, depois a cunhada e depois a assistente", disse.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva
Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção Rodoviários: ''máquinas'' sem manutenção
Carga horária excessiva, más condições de trabalho, terminais sem estrutura apropriada e os riscos ocupacionais aos quais estão submetidos. O transporte rodoviário está em quarto lugar entre as profissões com mais com comunicações de acidentes de trabalh
#UmaPorUma #UmaPorUma
Existe uma história para contar por trás de cada assassinato de mulher em Pernambuco. Uma por uma, vamos contar todas. Mapear onde as mataram, as motivações do crime, acompanhar a investigação e cobrar a punição dos culpados. Um banco de dados virtual.

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM