Jornal do Commercio
Árabe

'Primavera em Casablanca' mostra uma sociedade em ebulição

Filme do franco-marroquinho Nabil Ayouch é um dos destaques do Varilux

Publicado em 13/06/2018, às 14h40

A atriz e roteirista Maryam Touzani / Divulgação
A atriz e roteirista Maryam Touzani
Divulgação
Márcio Bastos

Um provérbio berbere – língua falada em algumas regiões do norte da África, principalmente na Argélia e no Marrocos – diz que “feliz é aquele que pode agir conforme seus desejos”. O ditado abre o filme Primavera em Casablanca, do diretor franco-marroquino Nabil Ayouch, que é exibido dentro da programação do Festival Varilux de Cinema Francês.

O filme é ambientado em dois tempos – em 1982 e em 2015 – e acompanha personagens que, em maior ou menor escala, têm suas trajetórias entrelaçadas. Além de lançar um olhar para os dramas de cada um desses indivíduos, Ayouch costura a obra com pinceladas políticas que expõem as contradições de um país na encruzilhada entre o conservadorismo e a modernidade.

A obra tem início na Cordilheira do Atlas, nos anos 1980, e mostra Abdalla (Amine Ennaji), um professor idealista que consegue, com estratégias educativas criativas, estimular o aprendizado de seus alunos de um isolado povoado. Ele mantém um relacionamento com Yto (Nezha Tebbaï), viúva mãe de um de seus alunos. Eles sabem que sua paixão não é bem vista pela comunidade, mas ela, altiva, afirma que prefere morrer a se submeter ao julgamento dos outros.

Abdalla deixa o povoado quando é proibido de ensinar aos seus alunos conteúdos que contrastem com os preceitos da reforma educacional influenciada pela religião islâmica. Uma das exigências do novo currículo é que as matérias sejam ensinadas apenas em árabe, língua quase desconhecida pelos alunos dele, que falam berbere. A desilusão com o governo e o sistema educacional fazem com que ele parta, ainda que Yto afirme que é preciso lutar e resistir pelo que se acredita.



AINDA SOMOS OS MESMOS

A viúva, um dos personagens secundários mais intrigantes, volta a aparecer nos anos 2010, já idosa e interpretada por Saâdia Ladib, aconselhando Salima (Maryam Touzani, que também assina o roteiro do filme). Mulher de espírito livre, ela se vê repreendida pela sociedade em que vive – e também por seu companheiro, que “não gosta”, por exemplo, que ela fume ou dance de forma “extravagante”. Ela, no entanto, não se curva. Em uma cena, quando é recriminada na rua por conta do tamanho do seu vestido, sobe a peça de roupa ainda mais, deixando suas pernas à mostra. “É uma rebelião”, pergunta seu namorado. “Não, é uma revolução”, rebate.

Os outros núcleos incluem ainda Joe (Arieh Worhalter), judeu francófono que comanda um restaurante em Casablanca e cuida de seu pai doente; Abdelilah Rachid, um jovem músico fã de Freddy Mercury, que mora no subúrbio da cidade e não tem o apoio de seu pai no sonho de ser um astro do rock; e Inès (Dounia Binebine), adolescente de classe média alta que enfrenta uma depressão e isolamento.

As histórias são examinadas com cuidado por Ayouch, ainda que algumas recebam mais tempo de tela. Elas são afetadas direta ou indiretamente por cenas ou notícias de protestos, seja a favor de reformas ou pró-manutenção de tradições que oprimem as mulheres, por exemplo.
O longa faz constantes referências à Casablanca, filme que imortalizou a cidade como cenário romântico. Primavera..., no entanto, se apresenta como a antítese do clássico hollywoodiano: é a cidade pelos olhos de quem nela vive e por ela é afetado.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM