Jornal do Commercio
PASSADO

Andressa Urach relembra uso de cocaína: ''balada de segunda a segunda'

Em entrevista a Luciana Gimenez, ex-modelo relembrou época de abusos e falta e cuidado com o filho pequeno

Publicado em 12/07/2017, às 09h35

Andressa escreveu uma biografia e se converteu à Igreja Universal do Reino de Deus / Foto: Reprodução/Rede TV!
Andressa escreveu uma biografia e se converteu à Igreja Universal do Reino de Deus
Foto: Reprodução/Rede TV!
JC Online

A ex-modelo Andressa Urach foi a entrevistada da noite de ontem durante o programa Luciana By Night, da Rede TV! Além de defender a submissão das mulheres em relação aos maridos, como adiantado, ela relembrou momentos delicados de sua vida, como um abuso, que sofreu ainda na infância.

Na conversa com a apresentadora Luciana Gimenez, Andressa contou que foi dada pela mãe a uma professora, para que esta a criasse, mas que acabou sendo abusada pelo marido da mulher, que então a entregou de volta a mãe.

"Aconteceu entre 6 e 8 anos de idade, que é a minha lembrança, e eu perdi muito a fase da infância. A sexualidade amadureceu muito cedo e fiz coisas de que me envergonho muito. Com 13 anos, estava fumando cigarro”, afirmou.



Ela detalhou que a relação difícil com a mãe fez com que se casasse cedo, para que assim pudesse sair de casa. “Quando me casei, tinha 15 para 16 anos. Era uma fuga da minha mãe. Eu queria sair de casa, minha mãe me batia muito”.

USO DE COCAÍNA

Hoje youtuber num canal de culinária, convertida à Igreja Universal do Reino de Deus e com uma biografia lançada há dois anos, Andressa Urach também comentou os boatos de que passou por uma crise de abstinência de cocaína durante a participação no programa A Fazenda, em 2013.

"Eu era usuária de cocaína frequentemente. Ia para a balada de segunda a segunda em São Paulo, não cuidava do meu filho”, contou.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM