Jornal do Commercio
CHINÊS

Sun Shiqian cria ''transformers'' nos arredores de Pequim

Formado em engenharia, ele decidiu se dedicar à arte e cria peças com referências à cultura chinesa

Publicado em 12/09/2017, às 15h24

Nos subúrbios de Pequim, um engenheiro de 32 anos conseguiu criar impressionantes robôs que se metamorfoseiam e que até agora só tinham sido vistos na série de filmes Transformers / WANG ZHAO/AFP
Nos subúrbios de Pequim, um engenheiro de 32 anos conseguiu criar impressionantes robôs que se metamorfoseiam e que até agora só tinham sido vistos na série de filmes Transformers
WANG ZHAO/AFP
JC Online

Nos subúrbios de Pequim, um engenheiro de 32 anos conseguiu criar impressionantes robôs que se metamorfoseiam e que até agora só tinham sido vistos na série de filmes Transformers. O armazém espaçoso de Sun Shiqian, nos arredores de Pequim, abriga uma coleção de animais, de uma vaca sonolenta a um dragão de metal que fica com 4,9 metros de altura com o apertar de um botão.

Graduado na prestigiosa Academia Central de Belas Artes da China, Sun trabalhou como engenheiro antes de decidir se dedicar a tempo completo ao que ele chama de "arte robótica".

"Quando criança, adorava assistir desenhos animados com robôs", disse Sun à AFP. "Mas notei que eram todos do Japão ou dos Estados Unidos. Não havia robôs chineses".

Na Conferência Mundial de Robôs em Pequim no mês passado, o escultor apresentou um touro com a capacidade mecânica de se transformar em um robô "gladiador", equipado com abdominais de aço. O androide faz parte da sua série baseada nos 12 animais do zodíaco chinês.

Em junho, Sun revelou um "Rei Macaco" de cinco metros de altura, inspirado no protagonista do famoso romance mitológico chinês Jornada ao Oeste. Assim como o personagem original, o robô de cinco toneladas segura um bastão dourado - que tem, neste caso, 6,3 metros de comprimento.



O próximo modelo do Rei Macaco tem previsto desafiar um robô gigante americano a um duelo no ano que vem.

Robôs com características chinesas

Sun cresceu em uma ilha perto de Dalian, no nordeste da China. Sua família não tinha recursos para comprar muitos brinquedos, mas seu pai, um ex-soldado, muitas vezes lhe mostrava esquemas simples de armas que eram usadas em combate. Usando estes planos e folhas de papelão, Sun moldou dragões lutadores em miniatura e outras criaturas.

"Comecei a gostar cada vez mais de arte e fui fazendo robôs cada vez mais complexos no meu tempo livre", disse.
Depois de deixar seu trabalho como engenheiro em 2011, Sun concentrou suas energias em projetar robôs - alguns com um custo de mais de um milhão de iuanes (US$ 150.000) - e transformar seus planos em realidade.

Em 2014, ele foi contratado pela Paramount Movies para fazer esculturas de robôs para promover o filme Transformers: A Era da Extinção, que bateu recordes de bilheteria na China.

Um modelo foi exibido no histórico Qianmen Gate, que anteriormente guardava a entrada para a Cidade Imperial em Pequim. "As pessoas me perguntaram por que eles estavam colocando arte estrangeira na frente do Qianmen", conta Sun.

"Isso teve um grande impacto em mim, porque eles reconheceram que esse robô não tinha origens chinesas. A partir desse momento, meu sonho passou a ser criar arte robótica que seja claramente chinesa".


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM