Jornal do Commercio
FICÇÃO

A obsessão por Nabokov de Lila Azam Zanganeh

No livro O encantador, a escritora iraniana investiga como o autor russo trabalha o encantamento da literatura e a felicidade

Publicado em 03/07/2013, às 05h58

Lila Azam Zanganeh é uma das convidadas da Flip deste ano / Reprodução

Lila Azam Zanganeh é uma das convidadas da Flip deste ano

Reprodução

Diogo Guedes

Uma das atrações internacionais este ano da Festa Literária Internacional de Paraty, a iraniana Lila Azam Zanganeh lança no Brasil o livro O encantador: Nabokov e a felicidade (Alfaguara). Nesta conversa com o JC, ela comenta sobre sua mistura de gêneros literários e sua paixão pelo autor, além do ofício de falar de Nabokov sem ser simples demais. Ela uma das atrações do evento, que começa nesta quarta (3/7) e vai até o próximo domingo. Na sua mesa, na sexta, ela conversa com o escritor Francisco Bosco.

JC – Você escreveu um livro sobre a felicidade sem ser prescritiva. Como pôde evitar a armadilha de fazer um manual, uma “fórmula da felicidade segundo Nabokov”, para optar por algo mais complexo?
LILA AZAM ZANGANEH –
Eu sabia desde o começo que não queria simplificar nada. Nabokov é um dos mais extraordinários escritores na história da literatura e, como todos os verdadeiros bons escritores, ele não é exatamente um autor fácil. As recompensas de lê-lo, no entanto, são extraordinárias. Então eu queria introduzi-lo a uma audiência mais geral e fazer um livro tão cheio de jogos quanto possível. Mas logo ali – como se escondido do olhar de todos – o livro também oferece camadas coloridas e complexas de seu mundo, onde a felicidade, essencialmente, é uma elevada capacidade de observação.

JC – Seu livro se usa de vários gêneros: ficção, crítica literária, ensaio. Foi essa a melhor maneira que você encontrou para falar de Nabokov?
LILA –
Sim. Nabokov odiava a “literatura de ideias”, o gênero cinza do ensaio. Então teria sido impossível escrever apenas um ensaio celebrando-o como o maior escritor da felicidade. O livro tinha que ser tão extravagante, tão cheio de jogos e tão multifacetado quanto o próprio autor. Nele o narrador lentamente se torna um grande mentiroso inventando todos os tipos de coisas - encontros com os escritores, aventuras na cama, acidentes na natureza. Dessa forma o próprio narrador, ou narradora, torna-se um personagem nabokoviano e, no último capítulo, usurpa a posição do escritor como se tornar-se um autor fosse um direito dele ou dela.

JC – Você diria que Nabokov é uma obsessão para você? Ela se foi em algum sentido após escrever esse livro?
LILA –
Ah, sim! Uma dessas obsessões que vivem com você como um zumbido constante da felicidade. No entanto, dizendo a verdade, esse livro não é totalmente sobre Nabokov. Nabokov é também um pretexto para entrar no universo da literatura e da ficção, em particular. É um lembrete de por que a literatura, por que a imaginação, por que a beleza importam em última instância. Então não posso dizer que essas preocupações se dissiparam depois de escrever o livro. Acho que o próprio Nabokov será sempre um guia para mim no universo encantado da arte.

JC – Em seu livro você mostra o papel da memória na obra e na vida de Nabokov: para ele, ela é uma forma de reacessar sua felicidade passada. Existe uma conexão entre memória e felicidade para ele? Por que rememorar é tão importante e prazeroso para o autor de Lolita?
LILA –
Sim, a memória é fundamental. Ela é nossa cápsula de consciência. Mesmo aos 97 anos somos capazes de sermos felizes porque podemos recuperar os eventos mais felizes de nossa existência de acordo com nossa vontade. É como um ponto exato de luz ou uma concatenação de pontos conjurados entre toda a escuridão circundante. Em Lolita, o livro todo é feito de memória, imaginação e saudade. Em O encantador, existe uma fórmula matemática, ou um resumo, para essa felicidade (que, claro, como uma fórmula, é uma espécie de brincadeira, também): memória + amor/consciência = tempo N(abokoviano). Essa é a ideia elemental da felicidade – um momento que vai perdurar e ondular como uma onda por toda a eternidade.

JC – Nabokov tem uma prosa e um ideal de beleza que são singulares e raros hoje em dia. O que podemos aprender sobre a arte ao ler Nabokov?
LILA –
Sim, concordo, Nabokov, em sua essência, é um escritor de um ideal de beleza. E sua prosa é a própria imagem desse ideal. É uma luta contínua em direção a ele, por assim dizer. O que ele nos ensina sobre a arte é que a única coisa que a arte só pode nos ensinar é a se tornar melhores observadores. E para isso acontecer nós precisamos de uma boa arte. A boa arte, a grande arte, tornará o observador, esse companheiro de sonho, um artista pelo tempo em que ele ou ela se dispuser a fazer o esforço de imaginar.

JC – Você acha que se apaixonou por Nabokov por que ele era um estrangeiro como você? Que outras coincidências entre sua vida e a dele lhe impressionaram?
LILA –
Sim, existem tantas coincidências. Não queria me debruçar sobre elas por muito tempo no livro porque, no fim de tudo, ele é sobre Nabokov e sobre beleza, não sobre mim. No entanto, até onde eu sei, sim, nós dois somos exilados, nossas famílias viveram uma revolução e a morte de entes queridos, nós dois fomos forçados a viver entre várias línguas, nunca estando completamente em casa em nenhuma delas, e nós dois escolhemos o inglês como língua franca, a linguagem que reagrupa todas as outras em uma só.

JC – Você criou capítulos misturando suas palavras com frases de Nabokov. Esse é o objetivo final do livro, tornar-se um só com a obra de Nabokov?
LILA –
Eu nunca pensei nele nesses termos. Mas amo essa pergunta e também essa noção. Acho que, quando você está escrevendo, você não pode almejar essas coisas, ou pensar muito, se não você fica completamente paralisada. Tudo que eu sei, na verdade, é que esse livro – seja lá o que ele é – é o que eu imaginei que seria. É uma homenagem, claro, e uma conversa. E, acima de tudo, é um livro que tenta apreender a luz e mostrar um vislumbre da beleza através de várias e consecutivas rachaduras da luz.

 

Leia mais no Jornal do Commercio desta quarta (3/7).

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM