Jornal do Commercio
HISTÓRIA

A proclamação da República segundo Laurentino Gomes

1889, novo livro do jornalista que já vendeu 1,5 milhões de exemplares na carreira aborda os bastidores e relatos do período

Publicado em 28/09/2013, às 05h37

Laurentino encerra trilogia com história do início da nossa República / Alexandre Battibugli/Divulgação

Laurentino encerra trilogia com história do início da nossa República

Alexandre Battibugli/Divulgação

Do JC Online

Desde o sucesso do seu primeiro livro sobre a história do Brasil, 1808, o escritor e jornalista Laurentino Gomes percebeu que havia uma demanda por livros como o dele. A alta vendagem mostrou que existe, sim, interesse por obras históricas: o importante é que sejam feitas com uma abordagem divertida. A trilogia, continuada com 1922, sobre a independência, agora é concluída com 1889, sobre a proclamação da república, sempre pensando a história a partir dos seus bastidores e pela desconstrução e reconstrução dos nossos principais momentos e figuras. Ele é uma das atrações da Fliporto deste ano, em novembro.

O livro segue a receita das primeiras obras, que venderam 1,5 milhão de exemplares: é feito de capítulos que retratam personagens e situação históricas sempre de um ponto de vista despojado, sem criar mitos e se envolvendo nas subtramas. “Agora, os personagens são mais controversos, porque estão mais próximos da atualidade”, comenta Laurentino, em entrevista ao JC. “Nós ainda somos muito afetados pelo início da República. Ainda há muita controvérsia a respeito das estruturas republicanas que construímos e como elas poderiam nos representar. Mais do que os outros dois, esse livro tenta explicar como o Brasil de hoje nasceu”.

Assim, na obra, é possível conhecer um Deodoro da Fonseca que não é tão republicano e, tampouco, representa a renovação, pois já estava idoso e enfermo. O imperador do Brasil, Dom Pedro II, também não era o monarquista mais convicto: já havia escrito que o modelo republicano era o “mais perfeito”, mas queria ele mesmo ser responsável pela transição.

Laurentino alerta que a mudança entre os sistemas foi mínima. “A primeira parte dessa república, até 1984, é exatamente como o período monárquico, é tutelada, é feita de cima para baixo, tanto na república café-com-leite, como com Vargas e a ditadura militar”, explica.

Para ele, o momento de lançamento é oportuno porque os brasileiros começam a não se identificar com as instituições políticas que os representam. “A proclamação da república mostra que é como se a tarefa de construir o Estado no Brasil não estivesse completa. Acho que essa é a grande questão que está pairando sobre nós”, defende Laurentino.

Segundo ele, ainda, traços arcaicos do fazer político continuam vivos por aqui. “Temos essa paixão pela fórmula do salvador da pátria, que já foi testada, mas nunca deu certo”.

Laurentino garante que vai continuar no caminho dos livros sobre a nossa história, só não sabe ainda qual o próximo assunto. “Existem alguns temas que me fascinam mais do que outros: a Guerra do Paraguai, a Inconfidência Mineira, as revoltas do período regencial. Eu só decidi que não vou mais fazer livros com números na capa. Esses eram como uma obra em três volumes”, anuncia. “Vou ter que me reinventar”, comenta.

Leia a matéria completa no Jornal do Commercio deste sábado (28/9)

Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Marcas do medo Marcas do medo
Mais do que um saldo de 4,1 mil mortos até setembro de 2017, a violência em PE deixou uma população inteira refém do medo. Sentimento sem cara ou forma, que faz um número cada vez maior de vítimas no Estado. Medo de sair de casa, de andar nas ruas
Great Place to Work 2017 Great Place to Work 2017
Conheça agora as 30 melhores empresas para trabalhar em Pernambuco, resultado de uma pesquisa feita pela Grat Place to Work, instituição com credibilidade de 25 anos, em 57 países, envolvendo anualmente sete mil empresas e 12 milhões de colaboradores
#ACulpaNãoÉDelas #ACulpaNãoÉDelas
Histórias de mulheres que passaram anos sendo agredidas por seus parceiros e, com medo, permaneceram em silêncio. Essa série de reportagem discute novos olhares no enfrentamento às agressões contra a mulher, até porque a culpa não é delas

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM