Jornal do Commercio
VERSOS

Com novo livro, Miró da Muribeca quer exorcizar o seu inferno e a sua solidão

O poeta recifense lança o livro aDeus em edição limitada e artesenal nesta quinta (6/8), reunindo 33 textos

Publicado em 05/08/2015, às 06h30

Depois de ficar internado em um hospital, Miró ganhou peso e se mudou para a Boa Vista / Alexandre Gondim/JC Imagem

Depois de ficar internado em um hospital, Miró ganhou peso e se mudou para a Boa Vista

Alexandre Gondim/JC Imagem

Diogo Guedes

Miró viu o inferno e prometeu que não quer mais voltar para lá. Desabou na própria casa, no meio da Muribeca, no dia 14 de julho, e começou a delirar. Único morador do prédio, acreditou que ia morrer. Contou com sorte – a preocupação de um amigo da vizinhança – para ser socorrido. Foi internado com ajuda do médico e escritor Wilson Freire, que o levou para o Hospital Oswaldo Cruz para ser tratado.

Encarou a morte de frente, como ele mesmo repete. Passou 14 dias internado, precisou entender que o seu alcoolismo havia chegado a um ponto fatal. Abandonou a bebida, deixou a solidão sufocante de morador solitário da Muribeca. Está morando no bairro da Boa Vista, recuperando-se. “Tá nascendo um Miró que não sei o que é ainda”, afirma sem receio, sóbrio e com 13 quilos a mais do que entrou no hospital.

Se sua vida está enfrentando os impasses de quem imaginou a própria morte, o seu novo livro, aDeus, lançado nesta quinta (6/8), às 19h, no Bar Teatro Mamulengo, pela Mariposa Cartonera, é uma espécie de encontro com a presença e ausência de Deus, com o abandono da Muribeca e de si mesmo. O título sugere, ao mesmo tempo, um Miró mais pensativo, que também está deixando para trás parte do seu passado. A obra sai com 150 exemplares numerados, vendidos por R$ 20.

Com 33 poemas, o volume foi construído com o poeta e editor Wellington de Melo que, dentro de um corpo de mais de 150 textos, encontrou alguns que formavam uma reflexão em conjunto. “Tinha dúvida se colocava o título como (H)aDeus ou aDeus. Ficou como o último, porque depois eu comecei a sentir como se fosse uma despedida para tentar me salvar”, comenta Miró. “O adeus do livro é um adeus ao álcool, também. Um adeus ao Miró que eu era”.

DELÍRIO - Quando desabou – houve um rumor sem fundamento no Facebook de que ele teria sofrido um AVC – Miró pensou que ia morrer só. “Eu me vi indo embora”, descreve. Estava apenas com 49 quilos quando chegou ao hospital, resultado do hábito de passar dias sem fazer uma refeição. “Quando cheguei no hospital, achei que estava entrando numa prisão, na Funase”, atesta.

“Pensei no caso de poetas que morreram, como Samuca e Alberto da Cunha Melo. Pensei no que houve com Raimundo Carrero. Eu olhava ao redor e era a única pessoa que andava no hospital. Perguntei a mim mesmo: ‘Por que eu não posso criar forças para não beber, para não morrer?’”, lembra. Quando disse que não queria morrer, ouviu do seu médico: “Então pare de beber”. É por isso que está sem consumir álcool desde que saiu do internamento e fala taxativamente que, se beber, morre.

A mudança radical exigia também que ele deixasse a solidão da Muribeca. “Ela estava contribuindo para que eu bebesse. Eu morava num prédio caixão que só tinha eu ali. Eu só saia para o bar. Eu me afundei mesmo”, revela. “Os prédios estão virando pó, tudo aquilo vai virar areia.” Com ajuda de amigos, novamente, ele agora está em um apartamento na Boa Vista, “tentando cortar o cordão umbilical” com o bairro que leva no seu nome de pena. “Vai ser um teste da porra porque tô no centro alcoólico do Recife.”

Agora, Miró está com 62 quilos e diz que não sofreu muito com a abstinência: “Minha abstinência era de caminhar pela rua, de ver gente”. Tem feito coisas que nunca entrariam na sua rotina anterior. Passeia pelo bairro e tem comprado frutas. “Eu não tinha coragem de ir para a praia, não comprava roupa para mim. Numa noite de sexta num bar eu gastava 80 reais. E acabei de comprar uma sandália por menos que isso”, expõe.

Quer deixar para trás de vez o Miró do alcoolismo e da solidão, aquele que lhe fez avistar a morte. Conta que já tinha ouvido certa vez um rumor de que, numa aposta de mesa de bar, um colega do Mercado da Boa Vista tinha apontado o seu nome como o próximo a falecer. “Mas tô aqui ainda. E vou comemora meu aniversário com este livro”, afirma Miró. Sim, ele quer ser o homem que viu o inferno e que nunca mais vai voltar a vê-lo.

Confira poemas do livro aDeus, de Miró:

----

no princípio
não havia nada
 
hoje também

----
 
não é que eu não
acredite em Deus
 
estou só desconfiado
com o homem
que Deus criou
 
----
 
as pessoas estão passando
para mais uma segunda-feira
 
eu sentado no banco da praça
ainda sou domingo

----

Leia a matéria completa no Jornal do Commercio desta quarta (6/8)




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC recall de marcas 2017 JC recall de marcas 2017
Conheça o ranking das marcas que têm conseguido se manter no topo da preferência dos pernambucanos. O rol é resultado de uma pesquisa realizada pelo Instituto Harrop, há duas décadas parceiro do Jornal do Commercio na realização da premiação
10 anos do IJCPM 10 anos do IJCPM
O Instituto João Carlos Paes Mendonça de Compromisso Social (IJCPM) comemora 10 anos de história, contribuindo para transformar a vida de jovens de comunidades com histórico de desigualdade social nas cidades de Recife, Salvador, Fortaleza e Aracaju
Chapecoense: um ano de saudade Chapecoense: um ano de saudade
Um ano de saudade. Foi isso que restou. A maior tragédia do esporte mundial, no dia 29 de novembro de 2016, quando houve o acidente aéreo com a delegação da Chapecoense, em Medellín, na Colômbia, fez 71 vítimas. Entre elas, dois pernambucanos

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM