Jornal do Commercio
ENSAÍSTA

Historiador Arno Wehling é eleito para Academia Brasileira de Letras

A instituição elegeu o pesquisador com 18 votos, contra os 15 destinados ao poeta e crítico Antoni Cícero

Publicado em 09/03/2017, às 18h17

Nos seus trabalhos, Arno Wehling reflete sobre o papel da história / Reprodução/Youtube
Nos seus trabalhos, Arno Wehling reflete sobre o papel da história
Reprodução/Youtube
JC Online

Em uma eleição disputada, a Academia Brasileira de Letras (ABL) escolheu nesta quinta (9) o historiador Arno Wehling para ocupar a cadeira de número 37. A vaga pertencia ao poeta Ferreira Gullar, que morreu em dezembro do ano passado.

Arno Wehling concorria com um outro nome de peso, o poeta e crítico Antonio Cícero. A eleição foi apartada, com 18 votos para Arno contra 15 para o concorrente.

Na quarta (8), a ABL ainda elegeu um novo “imortal”: o embaixador e escritor potiguar João Almino.

CARREIRA

Arno Wehling nasceu em 1947 no Rio de Janeiro. É um dos principais nomes da filosofia da história no Brasil. Em sua trajetória, ele publicou obras como Os níveis da objetividade histórica (1974) e A Invenção da História – Estudos sobre o Historicismo (1994), entre outros.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO JC RECALL DE MARCAS PREMIA AS MAIS LEMBRADAS DO ANO
Pitú, Vitarela (macarrão) e Honda (motos) foram as três marcas mais lembradas pelo público pernambucano, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Harrop em parceria com o Sistema Jornal do Commercio de Comunicação (SJCC)
JC no Mundial JC no Mundial
Em meio a um cenário conturbado na política internacional, a Rússia espera ser o grande centro das atenções neste mês de junho, quando irá sediar pela primeira vez em sua história uma Copa do Mundo de futebol. Aqui você confire tudo sobre o Mundial.
Reinventar Reinventar
A velocidade na criação de novidades tecnológicas nos faz pensar que o futuro é todo dia. E nós também precisamos sair do lugar. No mercado de trabalho, o impacto dessas transformações exige a capacidade de se reinventar. Veja o que o futuro lhe reserva

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM