Jornal do Commercio
MUDANÇA

Wellington de Melo deixa coordenadoria de literatura da Secult-PE

O escritor, que vai se dedicar à docência, vai ser substituído pela poeta Mariane Bigio

Publicado em 04/04/2017, às 07h20

Wellington de Melo estava desde 2011 no cargo / Ricardo Labastier/JC Imagem
Wellington de Melo estava desde 2011 no cargo
Ricardo Labastier/JC Imagem
Diogo Guedes

Desde 2011 no comando da coordenadoria de Literatura da Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE), o escritor e professor Wellington de Melo deixou o posto recentemente. Ele sai para se dedicar à pesquisa e à docência.

Wellington – que tinha antes uma atuação tanto na escrita como na produção, criando eventos como a Freeporto – foi um nome importante para movimentar a coordenadoria: na sua gestão, foi criado e mantido o hoje essencial Prêmio Pernambuco de Literatura, que jogou luz sobre bons novos escritores do Estado, e a literatura ganhou uma presença maior nos festivais culturais do Estado. O gestor ainda criou o Festival Internacional de Poesia, que, no ano passado, não aconteceu, já sinal da triste falta de recursos para a área – os atrasos no pagamento do júri do Prêmio Pernambuco do ano passado também são sintomas disso.



MARIANE BIGIO

O novo nome para o posto já foi definido: a escritora, poeta e contadora de histórias Mariane Bigio. Com uma atuação em recitais – foi uma das participantes do Vozes Femininas –, oficinas e também no cordel, ela vai ter um bom desafio nas mãos. É esperar que Mariane, no cenário de cortes de recursos, consiga manter os bons projetos já existentes e também gestar suas próprias ideias para a literatura pernambucana.


Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Pernambuco Modernista Pernambuco Modernista
Conheça a intimidade de ateliês, no silêncio de casas, na ansiedade de pincéis sujos para mostrar como, quase nonagenária, a terceira grande geração da arte moderna de Pernambuco vai atravessando as primeiras décadas do século 21
A crise que adoece A crise que adoece
Além dos índices econômicos ruins, a recessão iniciada em 2014 no Brasil cria uma população mais doente, vítima do estresse causado pela falta de perspectivas. A pressão gera problemas psicológicos e físicos, que exigem atenção.
Agreste seco Agreste seco
A seca colocou de joelhos uma região inteira. Fez o Agreste sertanejar. Os cinco anos consecutivos sem chuva em Pernambuco ganharam aqui a dimensão de uma tragédia. Silenciosa e diária.

    LOCALIZAÇÃO

  • Rua da Fundição, 257 Santo Amaro, Recife - PE
    CEP: 50040-100
  • assinejc.com.br
  • (81) 3413-6100

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2017 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM